quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

Especial: A Seca de 1958 na Fazenda Aracati.


Por Benedito Vasconcelos Mendes


A Fazenda Aracati, de propriedade do meu avô paterno, José Cândido Mendes, localizada no Semiárido cearense, nas cercanias do distrito sobralense de Caracará, a 60 quilômetros da cidade de Sobral, sofreu, em 1958, uma das piores secas de todos os tempos. A severa e catastrófica seca de 1958 teve duração de apenas um ano, que na prática correspondeu a 20 meses totalmente sem chuvas, começando em julho de 1957 e se prolongando até março de 1959. Seus efeitos foram devastadores, matando de fome e sede quase todo o rebanho bovino e grande parte das cabras e ovelhas da Fazenda Aracati. Até os bichos de pena (galinhas caipiras, capotes, patos, marrecas nativas e perus) escaparam muito magros desta terrível seca, pois nem milho para comprar se conseguia, já que os grãos produzidos em outras regiões do Brasil não eram trazidos para o Nordeste, por falta de caminhões e de condições de tráfego das poeirentas estradas carroçáveis.
Naquela época não se preparava e guardava silagem nem feno e nem tampouco se plantava capim irrigado. A imprevidência era total. As bicheiras eram curadas com  creolina e óleo queimado (óleo lubrificante usado). As pontas dos chifres eram aparadas com serrote. O vermífugo dado aos caprinos, ovinos e bovinos era a batata de purga e o remédio para empanzinamento era o vinagre. Comida concentrada (industrializada) para o gado só tinha o resíduo (torta de algodão mocó), que era escassa e cara, o que a tornava de uso inviável para a grande quantidade de gado existente na Fazenda Aracati. Um tipo de alimento volumoso industrializado, mais barato do que a torta, que existia no comércio de Sobral era o piolho de algodão (resto de linter e de casca das sementes de algodão herbáceo que era coletado no descaroçador de algodão). O milho e o feijão de uso na fazenda eram armazenados em tambores de ferro de 200 litros (tambores de transportar combustíveis). Às vezes, aparecia para venda, umas batatas de cipó, mais fina e maior do que as raízes de mandioca, de casca preta e miolo branco, trazidas das praias das proximidades das cidades de Camocim e Acaraú. Dois tipos de alimentos volumosos, de péssima palatabilidade e de baixa qualidade nutritiva, levados em caminhões para oferecer ao gado era a palha de carnaúba e a casca do fruto da oiticica (subproduto da indústria de óleo de oiticica).
O cavalo “Estrela” do meu avô e a égua “Lua” da minha avó eram milhados diariamente, pela manhã e à tarde, com uma mancheia de milho colocada na mochila de couro. O cavalo Estrela, utilizado para derrubar boi brabo no mato garranchento e espinhento, quase não era mais usado, pois o tipo de manejo alimentar do rebanho, dando comida na boca e a fraqueza orgânica das reses, tornava o gado dócil e submisso. O mais bonito e famoso touro da fazenda, de nome “Dione”, azebuado, de porte avantajado, com peso aproximado de 40 arrobas, de pescoço e corpo volumosos, de chifres grossos, grandes e arqueados, de pelagem acinzentada, com peito e castanha carnudos e quase pretos, de barbela e bainha extensas, foi salvo da seca pelos cuidados especiais dispensados pelo meu avô. À medida que os meses foram se passando e a seca se tornando mais severa, foi ficando muito triste assistir a morrinha do gado, que amanhecia urrando de fome, enquanto os agregados saiam desesperados, com foice e machado no ombro, rumo aos poucos Juazeiros, canafístulas, macambiras, xique-xiques e mandacarus, para derrubar para o gado comer.
As cactáceas (mandacaru e xique-xique) e a bromeliácea (macambira) eram arrancadas e levadas, em lombos de burros e de jumentos, para o terreiro da casa. Lá, os espinhos eram queimados em fogueiras improvisadas e os cladódios das cactáceas fatiados, para alimentar o gado. Depois da queima das folhas espinhentas das macambiras, as cabeças (caule subterrâneo desta planta, riquíssimo em amido) eram cortadas em pequenos pedaços e ofertadas ao gado. Estes alimentos eram jogados no chão, pois não havia disponibilidade de cochos para o numeroso rebanho.
 O extenso pátio da fazenda era sombreado por numerosos Juazeiros e grande número de árvores de oiticica. O sofrimento causado pela fome e a agonia da morte dos animais eram triste de se ver, principalmente daqueles que, de tão fracos, não conseguiam mais ficar de pé. A vaca “caída”, ou seja, aquela rês que não tinha mais força para se levantar era colocada “nas correias”, que era uma armação de quatro estacas fincadas no chão, para sustentar as tiras de couro cru, forradas com surrões de folhas de carnaubeira, que mantinham a vaca em pé.
As reses caídas tinham o privilégio de se alimentar de rama verde, por ser mais nutritiva (folhas de juazeiro ou de canafístula) e os outros animais, que ainda podiam caminhar, alimentavam-se de cabeças de macambira ou de cladódios de mandacaru e de xique-xique. Os animais que caiam dificilmente escapavam, de modo que, no final da seca, do numeroso plantel de aproximadamente 1.000 reses salvaram-se pouco mais de uma centena de bovinos. Uma das cenas chocantes daquela seca, que ficou gravada na minha mente, foi a enorme quantidade de carcaças de bovinos, espalhadas no pátio da fazenda, após a seca.
Os animais se concentravam no terreiro da casa grande, onde eram fornecidos as ramas das forrageiras arbóreas e os cladódios dos cactos. Eles não saiam para o campo, pois o chão estava limpo, sem pasto. Só se alimentavam daquilo que os vaqueiros ofereciam. No pátio, as reses extremamente desnutridas caiam, eram colocadas nas redes (correias), recebiam a pouca e grosseira ração de plantas nativas e, com o passar do tempo, a debilidade aumentava e depois morriam.
A alimentação da família do meu avô, que antes era farta e baseada na carne de boi e no leite de vaca, como coalhada, leite cozido, nata, manteiga de garrafa e queijo de coalho, foi substituída por produtos lácteos derivados do leite de cabra. O caprino, por produzir leite, ser de menor porte e mais resistente à seca, foi escolhido para fornecer a alimentação básica da família. O leite de cabra era também fornecido para as famílias dos agregados (trabalhadores meeiros que moravam na propriedade). Com o passar do tempo, as reservas de pastagens nativas da fazenda foram minguando, de modo que, ao chegar no mês de outubro de 1958, o estoque de alimentos ficou muito reduzido e o gado começou a morrer.
Outubro foi o mês da desesperança, o mês que meu avô se convenceu que não restava mais nada a fazer, a não ser esperar a morte de todo o rebanho. Ele não cruzou os braços, continuou na luta inglória de alimentar o gado, mas com o único objetivo de diminuir o terrível sofrimento das reses, provocado pela fome e pela sede. Meu avô se condoía com o urro lamurioso e triste do gado com fome e, muitas vezes, ia às lágrimas. Foi interessante observar que uma seca desorganiza o calendário das tarefas que são realizadas em uma fazenda de criar gado bovino, pois os eventos anuais de apartação dos garrotes das mães, da castração dos novilhos e da ferra do rebanho não são realizados nos anos de seca catastrófica.
Na casa grande, minha avó não mais fazia os grandes e saborosos queijos de coalho, coalhada e manteiga da terra com leite de vaca. Naquele ano de seca, só se usava leite de cabra. Às seis horas da tarde, depois da labuta exaustiva de alimentar o rebanho, meu avô tirava o chapéu e o gibão de couro, chamava minha avó e meus tios e os agregados da fazenda com suas famílias para a sala da frente do casarão da fazenda, onde situava-se o santuário (oratório), para rezar, suplicando a Deus força e entusiasmo para continuar o estafante trabalho de tentar salvar o gado. Pedia a São José que mandasse chuva, o quanto antes, para fazer rama (brotos e folhas novas) e salvar o rebanho. Pedia a Deus esperança e ânimo, para não esmorecer diante da brutal dificuldade.
No espaçoso alpendre da frente da casa grande da Fazenda Aracati, havia três tornos de armar rede ocupados com os arreios e cela do cavalo de meu avô e com o cilhão e arreios da égua de minha avó passear. Um dos tornos era usado para pendurar o chapéu, a véstia (gibão, perneira, guarda-peito, luvas e guarda-pés) e o chicote de pimba de boi usados pelo meu avô. A natureza tornara-se ingrata, a caatinga caducifólia, totalmente desfolhada e seca, exibindo aqui e ali poucas plantas perenifólias, como alguns Juazeiros ou umas poucas canafístulas, porém podados pelos vaqueiros, exibindo pouquíssimas folhas verdes; o chão desnudo, sem nenhuma cobertura de vegetação herbácea verde ou seca; o Rio dos Patos (que corta a fazenda) e as lagoas da propriedade, totalmente secos; a cacimba cavada na areia do leito do rio, com pouca água; o céu azul, sem nenhuma nuvem para abrandar o calor estafante, provocado pelo sol incandescente.

No período da seca, os animais nativos e os domésticos não se reproduziram devido à limitação de alimentos. A natureza viva parecia morrer e as rochas dos serrotes e os solos ressequidos, sem vegetação, refletiam, com muita força, a luz e o calor do sol brilhante. A tristeza dos animais magros e famintos contagiava os moradores da fazenda. A desgraça estava generalizada. Tudo estava reduzido a um fio de esperança de se ter um bom inverno (período chuvoso) no próximo ano. O sofrimento, que alterou tudo na rotina da propriedade, só não diminuiu a fé em Deus dos habitantes da Fazenda Aracati, pois quanto mais diminuía o rebanho, mais se aumentava as rezas. Depois desta terrível seca, veio a fartura, a bonança e a multiplicação do rebanho por seguidos anos chuvosos até a próxima seca de 1970.

Enviado pelo autor

http://blogdomendesemendes.blogspot.com
Postado por Mendes e Mendes 

Nenhum comentário:

Postar um comentário