sexta-feira, 20 de julho de 2018

Inscrições para concurso da Universidade começam segunda-feira 23/07

Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) abre nesta segunda-feira, 23, as inscrições para o concurso público de provas para provimento de cargo técnico-administrativo em educação. Com um total de 69 vagas distribuídas em dois editais, as inscrições serão recebidas até o dia 20 de agosto.

O edital de número 016/2018 traz informações sobre os cargos de Analista de Tecnologia da Informação, Arquiteto e Urbanista, Bibliotecário-Documentalista, Enfermeiro, Engenharia Civil, Engenharia da Computação, Engenharia Elétrica, Engenharia Mecatrônica, Farmacêutico, Jornalista, Médico/Endoscopia Peroral, Médico/Oftalmologia, Médico/Psiquiatria, Psicólogo Escolar, Técnico em Assuntos Educacionais, Tecnólogo/Formação Secretariado, Tecnólogo/Formação Marketing, Zootecnista, Assistente em Administração, Técnico em Contabilidade, Técnico em Enfermagem e Assistente de Aluno.
Já o edital de número 017/2018 tem detalhes para Desenhista Técnico/Área Comunicação Visual, Desenhista Técnico/Área Webdesigner, Técnico em Artes Gráficas, Técnico em Eletromecânica, Tradutor e Intérprete de Linguagem de Sinais e Operador de Luz. Com provas previstas a serem aplicadas no dia 30 de setembro, o valor da taxa de inscrição do concurso varia de R$ 50 a R$ 80, conforme o cargo. Os interessados devem efetuar inscrição no site do Núcleo Permanente de Concursos (Comperve): www.comperve.ufrn.br

Inscrições para o Fies terminam neste domingo

Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) encerra, no próximo domingo (22), as inscrições para os candidatos ao crédito no segundo semestre deste ano. Serão ofertadas pelo menos 155 mil vagas, das quais 50 mil com juro zero. Os interessados podem se inscrever no site do programa na internet.

Dupla Victor e Léo se separa

A dupla Victor e Léo não deve se apresentar mais junta temporariamente. Segundo o colunista Leo Dias, do jornal O Dia, de outubro a dezembro, está sendo vendido um show acústico apenas com Léo Chaves.

Ainda de acordo com o jornalista, os dois só devem voltar se apresentar juntos em março, mas sem datas definidas. Enquanto Léo fará os shows, Victor deve viajar para o exterior, mas não foi divulgado em qual projeto ele vai trabalhar.
A agenda até o fim de setembro deste ano, no entanto, permanece a mesma e os dois vão se apresentar juntos. A assessoria de imprensa da dupla não se pronunciou sobre o caso.

Dia 27 de julho acontece o eclipse lunar

Raro, misterioso e belo. No dia 27 de julho está previsto um eclipse lunar total que terá a duração de 103 minutos, o mais longo do século 21. O fenômeno será visível em várias partes do mundo, da Nova Zelândiae Austrália até a Europa e também na América do Sul, inclusive no Brasil.

Nos últimos anos já ocorreram outros clipses lunares — 31 janeiro de 2018, abril de 2015 — mas nenhum deles com uma duração tão grande com a lua totalmente encoberta pela sombra da Terra. Contando o tempo parcial em que o nosso satélite natural começa a ficar encoberto, a duração aumenta mais 66 minutos ma fase inicial e outros 66 minutos na fase final, totalizando 3 horas e 55 minutos de duração fo fenômeno.
Esse eclipse é raro porque a Lua, que estará na sua fase cheia, passará praticamente no centro da sombra da Terra, por isso sua raridade e duração prolongada.
Bem Paraná/Via Blo do Robson Pires

Começa Hoje em Martins RN o Festival Gastronômico e Cultural




Festa de Sant’Ana 2018 em Caicó tem início em Caicó.

Os católicos caicoenses e visitantes participaram nesta quinta-feira, 19 de julho, procissão de abertura da Festa de Sant’Ana 2018. O povo seguiu o percurso com o estandarte pela avenida Seridó, rua Renato Dantas, avenida Celso Dantas, avenida Coronel Martiniano e voltando até a catedral. O trajeto contou com a participação do bispo diocesano, dom Antônio Carlos, pároco de Sant’Ana, Pe. Alcivan Tadeus e autoridades, dentre elas o prefeito de Caicó, Batata. A avó de Jesus, Sant’Ana, é padroeira de vários municípios no interior potiguar, entre eles, Caicó, que faz das celebrações à santa um dos maiores eventos da região Seridó. Mas, além dos rituais religiosos, apresentações culturais e atividades esportivas gratuitas são destaques na programação da festa.

Em Caicó, os eventos religiosos tiveram início nesta quarta-feira (18) e seguem até o próximo dia 29. Já as apresentações musicais acontecem entre a quarta-feira da próxima semana, dia 25, e o domingo (29). Em 2018, a festa comemora os 270 anos de fundação da Paróquia de Sant’Ana.

quarta-feira, 18 de julho de 2018

História do Ginásio Comercial de Patu.

 O Ginásio Comercial de Patu é uma instituição mantida pela Sociedade Educadora Patuense, foi fundado pela lei nº 06/1959 e autorizado pela portaria Decreto nº 148/67 de 03/06/1967 e reconhecido como de utilidade pública pela lei nº 3.558/67. A Sociedade Educadora Patuense tinha como presidente o Dr. Aderson Dutra de Almeida, o pioneiro na educação secundária deste município. O primeiro diretor do Ginásio Comercial de Patu foi o Dr. Aderson Dutra de Almeida, e como professores: Wanda Godeiro Carlos dos Santos, Raimundo Nonato de Moura, Josemar Godeiro da Silva, Petronilo Hemetério Filho no período de 1965 a 1973. Outros professores atuaram no Ginásio Comercial de Patu como o professor José Joaquim, Sebastiana Aureniva, Prof Buá, Zilar Rocha e tantos outros. A Professora Wanda Godeiro Carlos foi nomeada a segunda diretora com mandato até os dias atuais. 
Foram Secretários: Francisco Clementino Filho, Ana Andrade de Moura, Maria Solano Freire, Maria de Lourdes Paiva Solano, Francisco Cordeiro da Silva, Francisca Solano de Azevedo e Maria Celi Suassuna Leite. A sociedade Educadora Patuense vem prestando relevantes serviços à comunidade patuense onde foi a fundadora do ensino de 2º grau que passou mais tarde para o domínio do Estado do Rio Grande do Norte, hoje Escola Estadual Dr. Edino Jales.
O Ginásio Comercial de Patu já desfilou cinco vezes em Mossoró, por ocasião das comemorações do dia 30 de setembro, data alusiva à abolição dos escravos daquela cidade, tendo obtido destaque entre os colégios que lá desfilaram. Em 1979 estavam presentes no palanque oficial, o incentivador da fundação do colégio – o escritor Raimundo Nonato, o ex-inspetor Manoel Leonardo, o ex-diretor Petronilo Hemetério Filho e a atual diretora Wanda Godeiro Carlos dos Santos. Na ocasião o renomado escritor Raimundo Nonato disse: "Só está faltando o Dr. Aderson Dutra para completar o conjunto de pessoas que consolidam o progresso da educação Patuense". Em Patu o Ginásio Comercial sempre participou dos desfiles cívicos de 25 de setembro, data da emancipação política do município.
Por iniciativa do Prof. Petronilo Hemetério Filho, que em décadas passadas exercia o cargo de diretor administrativo do Ginásio Comercial de Patu, foi fundada uma biblioteca, denominou-se Biblioteca “Pedro Rocha”, depois “Maria Dutra” e atualmente “Rafael Godeiro”, pertencente ao patrimônio do Ginásio Comercial de Patu, é ela uma fonte de cultura e conhecimento, através de seus livros. O saber tem por objetivo difundir a cultura e a educação, enriquecer os conhecimentos e aumentar as capacidades estudantis e também de todos aqueles que se dedicarem a leitura ou às pesquisas cientificas. O Ginásio Comercial anteriormente já era um centro de cultura e  completou os requisitos culturais com a criação da biblioteca que proporciona condições de pesquisar, tirar dúvidas e dizer aos estudantes patuenses que na biblioteca do Ginásio Comercial de Patu, possui acervos importantes, disse Petronilo Hemetério. A biblioteca está a disposição para a comunidade bem como para receber doações de livros. O Acervo possuía mais de mil livros, mas, infelizmente muitos foram emprestados para pesquisas e não foram devolvidos. O Ginásio Comercial de Patu também se faz presente nos principais momentos festivos, educacionais e culturais da cidade onde seus alunos, professores e servidores participam das festas populares como Feira da Cultura, Festa de Nossa Senhora das Dores, Arraiá Patu Dançar bem como mobilizações e campanhas educativas realizadas no âmbito do município. A Boate Pântanos de Patu, no passado, foi palco de memoráveis solenidades de colações de graus do Ginásio Comercia de Patu. Hoje as modalidades de ensino aplicadas pelo Ginásio Comercial de Patu são: Educação Infantil e Ensino Fundamental I e II atuando com 18 professores e 6 funcionários. A atual equipe gestora é assim constituída: Diretora: Wanda Godeiro Carlos dos Santos, Vice-diretora: Monique Godeiro dos Santos Gurgel, Secretária: Maria da Conceição Ferreira de Araújo, Coordenadores Pedagógicos: Maria Elizângela da Silva Maia e Edvânia de Aquino Diniz. Mesmo sendo uma instituição privada, mas ao longo de sua história, muitos jovens patuenses tiveram a oportunidade de estudar no Ginásio Comercial de Patu sem pagar nada pois sua diretora Wanda Godeiro conhecia todas as famílias de Patu e sabia da necessidade de alguns jovens estudarem no Ginásio Comercial e dali seguir a sua trajetória estudantil no segundo grau e na faculdade. Hoje centenas de patuenses formados e que se deram bem na vida profissional passaram pelos bancos escolares do Ginásio Comercial de Patu que tem como lema " Ginásio Comercial de Patu - Há 59 Anos Educando Gerações" e por isso faz por merecer fazer parte da História de Patu.

Reportagem: Aluísio Dutra de Oliveira.
Informações repassadas pelo Ginásio Comercial de Patu.
Fotos: Site do Ginásio Comercial de Patu e Google. 
Dr. Aderson Dutra de Almeida 
Fundador do Ginásio Comercial de Patu-RN
Colação de Grau realizada na Boate Pântanos

Desfiles

Desfiles

Apresentações Culturais

Alunos

Campanhas Educativas

Dona Wanda Godeiro
Diretora

Apresentação Arraiá Patu Dançar

Desfiles
 Equipe do Ginásio Comercial de Patu
 Equipe do Ginásio Comercial de Patu





Deputados querem aumentar salários antes das eleições

Cresce no Congresso uma articulação para elevar os salários dos deputados e dos senadores para a próxima legislatura. Participam do debate alguns ministros do Supremo insatisfeitos com a decisão da presidente da Corte, Cármen Lúcia, de não propor aumento novamente para o próximo ano.

Uma proposta que vem sendo debatida, ainda de forma reservada, é passar o teto constitucional dos atuais R$ 33,7 mil para R$ 38 mil. O reajuste de R$ 4,3 mil é justamente o valor do auxílio-moradia, que seria incorporado aos vencimentos dos magistrados.
O último aumento do teto constitucional foi aprovado em dezembro de 2014, quando o salário de ministros do STF subiu de R$ 29,4 mil para R$ 33,7 mil. O Congresso quer colocar o reajuste em votação após as eleições, quando vencerem nas urnas.

terça-feira, 17 de julho de 2018

Festival de Martins é atração no final de semana

Olga Fernandes
E a partir desta sexta-feira (20), acontece em Martins (RN) a 12ª edição do Festival Gastronômico e Cultural. O evento, que segue até o domingo (22). O evento é uma importante referência turística para o município administrado pela prefeita Olga Fernandes.

segunda-feira, 16 de julho de 2018

Consulta à cota do PIS estará disponível a partir de hoje (16/07)


Os trabalhadores com direito à cota do PIS poderão conferir nesta segunda-feira (16), na Caixa Econômica Federal, quais são os valores que irão receber a partir de agosto. Os recursos no fundo terão reajuste de 8,9%.
Para saber quanto será possível retirar, os profissionais devem acessar o site www.caixa.gov.br/cotaspis. A consulta também pode ser feita pelo telefone 0800-7260207, nos caixas eletrônicos, com Cartão do Cidadão, e nas agências da Caixa.
É preciso informar CPF ou NIS (Número de Identificação Social) e data de nascimento.
Tem direito à cota do fundo PIS/Pasep quem trabalhou com carteira assinada ou foi servidor entre 1971 e 4 de outubro de 1988.
No caso do Banco do Brasil, que paga o Pasep, também haverá o reajuste, mas não é possível fazer a checagem. Nos canais de atendimento do banco, só é possível saber se o profissional tem direito ou não à cota. O BB não divulga valores.
O dinheiro corrigido cairá na conta dos clientes da Caixa e do BB no dia 8 de agosto. Entre 14 de agosto e 29 de setembro quem não é correntista ou poupador também poderá sacar os valores.
A cota do PIS/Pasep é diferente do abono, que é pago todo ano a quem trabalhou no ano anterior com carteira assinada por pelo menos um mês, ganhando até dois salários mínimos.

quarta-feira, 11 de julho de 2018

Especial: Artigo sobre Ângela Almeida


Ângela Almeida: resignificando o sertão por meio da arte
                                                        Por Márcio de Lima Dantas
                                               Professor de Literatura Portuguesa da UFRN

Ângela Almeida (22.06.1956) é uma das mais originais artistas plásticas do Rio Grande do Norte. Nascida em Mossoró, mas estabelecida em Natal, onde é professora universitária. De temperamento discreto, contudo sempre simpática e gentil; estudiosa, parece que, como Fernando Pessoa, resolveu dedicar sua vida às coisas do espírito. Tem uma tese de doutorado muito interessante sobre a estética do cangaço.
Buscando nas suas composições uma harmonia de cores das massas cromáticas, suas telas reafirmam o entendimento que uma pintura não se conforma como representação da realidade, mas que uma tela é um construto humano que se contrapõe ao que nos entorna. Ou seja, compreender que a arte é uma forma outra de conhecimento, na medida que  se constitui desde sempre como um outro barato. Nunca maneiro, como se diz hoje em dia, mas como contundente crítica à realidade e suas vicissitudes, simbolizada pela Roda na Vida, girando inexoravelmente, fazendo crer a quem quer enxergar, ou aceitar, que tudo é impermanente. Dololoroso? Não, eis a natural lógica das coisas que conduzem a uma harmonia estendida a todos os sencientes. Quem haverá de ficar imune/impune?
O suporte dos seus trabalhos, via de regra, é o papel alemão hahnemule 300g e pigmentos naturais franceses, demonstrando uma exigência que não passa pela vaidade, mas pelo que deseja concretizar nas formas que habitam seu imo (todo artista tem suas idiossincrasias, como se fosse espécie de cismas: somente uma maneira expressará com propriedade o que lhe inquieta e aplaca/sana aquilo que quer sair em forma de arte, quer dizer, o que lhe é hiância e somente por meio da arte um eventual equilíbrio se instala).
Então, consoante o método de trabalho do artista somente determinados tipos de materiais permitirão que expresse o Imaginário, quase sempre povoado por símbolos que estão presentes no Sertão do Nordeste. A compreensão de Guimarães Rosa, ao dizer “que o sertão é o mundo”, quer dizer, uma retomado do étimo da palavra, que já existia em Portugal desde seus primórdios (sertão era o interior do país, tudo que não estava ao redor da corte: des-sertão =desertão). Isso veio para a Colônia. Litoral habitado pelo colonizador e sertão por fazendeiros e índios.
Isso mesmo, o mito obsessional de Ângela Almeida é o Sertão, e que vai se expressar por meio de uma multiplicidade de ângulos, sempre tendo em tendo em conta que o interior do estado não quedou-se paralisado no tempo. Guimarães Rosa resignificou esse estereótipo das terras quentes habitadas outrora pelas etnias Tarayrius (uns chamam de Tapuias), alteradas, nada é imóvel, pela política e por algo mais abstrato, como o “espírito da época”. Transformando não só a paisagem, seu bioma, mas as formas de olhar o mundo, sentir e agir, diferentes de seus antepassados. Vejamos o que o escritor de “Grande sertão”: veredas diz: A gente tem de sair do sertão! Mas só se sai do sertão é tomando conta dele a dentro...Agora perdi. Estou preso. Mudei para adiante! Ora, sertão não é um lugar no mapa da geografia, mas um lugar mental inerente a todo ser humano.
Com efeito, creio que é isso que a artista consciente ou inconscientemente busca por diversos meios exarar nas múltiplas formas de expressões: pintura, colagens, intervenções sobre fotografias.
Gostaria de chamar atenção sobre um aspecto que caracteriza o seu precioso trabalho. A inovação ao exprimir pictoricamente elementos do Imaginário Nordestino, refratando o pitoresco, o estereótipo e o caricatural, buscando uma releitura na qual o espaço nordestino deixa de ser uma região geográfica determinada, para vir a se tornar um fornecedor de pretextos para elaboração do seu trabalho, sempre buscando formas originais que elevem a iconografia da região ao valor de universalidade que toda obra de arte de qualidade deve deter. Sim, onde você pisar sobre a terra estará pisando sobre uma chão árido, do ponto de vista metafísico, ao humano, na medida em que nossa percentagem de controle sobre o que nos sucede, quase sempre é exígua. Embora detentores do livre arbítrio.
Eis um belo vaqueiro, identificado como tipo da região apenas por meios das suas vestimentas. Predomina um efeito cromático que imprime à tela equilíbrio e harmonia na sua simetria bilateral, retratando a figura de maneira plana, com basicamente duas cores: o ocre e o azul. Curiosamente as cores que no Imaginário representam eventuais, talvez buscadas, acordo entre céu e terra, entre realidade e imaginação, entre carne e espírito.
Quando trabalha com a figura humana, constatamos um grave silêncio no semblante, que não se lança para a indiferença, mas para uma gravidade que remete ao sóbrio, sem deixar de transparecer uma certa melancolia resignada, bem próprio dos que estão acostumados a não representar na vida social. Os autênticos, que ousam ser o que são face a uma sociedade que demanda mais e mais ser/ter o que chamam de “felicidade”.
Eis o trabalho original de franca e farta inspiração de Ângela Almeida. Uma artista que tem a exata consciência do que elabora: obras detentoras de um requinte técnico e de grande inspiração. Só para reforçar o que discorri acima, de Oswaldo Lamartine: Cada vivente tem o seu sertão. Para uns as terras além do horizonte e para outros, o quintal perdido da infância.



Quarenta e quatro municípios do RN têm FPM retido

Do G 1 (RN):

Quarenta e quatro cidades potiguares tiveram o primeiro repasse de julho do Fundo de Participação dos Municípios retido por causa de dívidas com o Governo Federal. Para a Federação dos Municípios do Rio Grande do Norte (FEMURN), a falta do repasse afeta as gestões municipais, comprometendo os pagamentos realizados pelos prefeitos e o equilíbrio financeiro programado pelas gestões.
“As prefeituras tentam driblar a crise de todas as maneiras, lidando com muitas responsabilidades financeiras e poucos recursos, e contam com o FPM para isso”, diz Naldinho, presidente da Femurn e prefeito de São Paulo do Potengi.
O FPM é um repasse de verbas do Governo Federal para os municípios brasileiros. A distribuição é feita de acordo com o número de habitantes, estimado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e o valor é dividido em três cotas mensais. Quando o município tem dívidas com o governo federal o repasse é retido e o valor é abatido da dívida.
Confira:

Martins (RN): Festival Gastronômico movimenta a economia


Festival Gastronômico e Cultural de Martins (RN), além da qualidade no quesito culinária, trará muita diversão por meio de shows que marcarão esse importante evento que já é conhecido a nível nacional. Então a prefeitura está divulgando as atrações musicais que farão parte já do terceiro dia do evento, domingo, 22 de julho. São shows com estilos diversos, prezando pela qualidade da boa música.

Fonte: Blog do Robson Pires.

Biografia de Caramuru Paiva

Pré-candidato a Deputado Federal (PT)

Francisco Caramurú de Oliveira Monte Paiva e Azevedo nasceu em 1974 e viveu a infância na zona rural. A partir da adolescência ele foi morar na cidade de Campo Grande/RN.

Caramuru Paiva logo cedo mostrou sua habilidade na liderança de grupo junto com uma enorme capacidade de mobilização social. O seu primeiro destaque foi aos 14 anos quando ganhou a eleição para vice-presidente e, em seguida, venceu como presidente do Grêmio Estudantil Francisco Costa de Medeiros da Escola Municipal Joaquim Leal Pimenta. No período ele inovou na luta estudantil com uma gestão democrática do grêmio e uma agenda de trabalho que envolvia atividades esportivas, organização do conselho de líderes de classe e participação no planejamento escolar. 


A sua paixão pela cultura também levou ele unir engajamento social com movimento cultural ao participar ativamente da fundação das companhias teatrais Canal Cultural e Transformação e através desta última entrou na construção do movimento escambo de teatro de rua que envolveu grupos culturais de todo o Nordeste brasileiro.



Outra área que Caramuru Paiva se destacou durante a sua juventude foi na prática do futebol amador quando atuou pela maior equipe de Campo Grande, times da região e na seleção de FUTSAL da antiga ESAM (atual UFERSA). Ao se afastar da condição de atleta se tornou um colaborador na organização de eventos esportivos locais e regionais em nível de oeste. 

No entanto foi nos estudos aonde Caramuru Paiva ganhou mais notoriedade. Ao longo do período escolar se mostrou como um aluno brilhante nas notas, companheiro da turma e educado com os professores. É com orgulho que ele relembra que toda a sua vida escolar, do pré ao ensino médio, se realizou nas escolas públicas campo-grandenses desde a Escola Francisco Ivo (atual Ieda Medeiros Dantas Saldanha), passando pela Escola Estadual Professor Adrião Melo até chegar à Escola Municipal Professor Joaquim Leal.



As excelentes notas escolares renderam indicação e aprovação numa das primeiras experiências profissionais, como menor aprendiz do Banco do Brasil, na agência Campo Grande, quando assinou a carteira de trabalho aos 14 anos e passou a assumir as despesas familiares do lar aonde ele residia juntamente com a sua mãe e um irmão. No trabalho, o empenho e a desenvoltura mereceram reconhecimento da equipe e dos seus superiores hierárquicos bem como o habilitaram para o exercício de tarefas que estavam em alçadas acima do seu posto. 

No ano que concluiu o ensino médio, em 1993, Caramurú Paiva prestou 2 vestibulares e passou nas primeiras colocações para o curso de letras, na Universidade do Estado do Rio Grande do Norte – UERN, e engenharia agronômica, na ESAM (atual Universidade Federal do Semiárido – UFERSA). Caramuru Paiva fez opção de se formar em agronomia por identificação e como marca das influências do seu pai (Sr. Paiva) e sua mãe (D. Rita) que tiveram todas suas existências vinculadas ao mundo rural. Na faculdade descobriu a agricultura agroecológica ao trabalhar 3 anos como bolsista responsável com 45 espécies de plantas medicinais.

Ao mesmo tempo em que era universitário, o futuro engenheiro Caramuru Paiva teve a experiência como professor de Matemática do ensino médio na Escola Estadual Vasconcelos, no município de Mossoró, quando obteve avaliação de “excelente desempenho” pela direção escolar. O dinheiro deste trabalho ajudava na manutenção da família que nesta época já incluía a esposa que casou junto com a entrada para o ensino superior.

O cidadão Caramuru Paiva é casado com a professora Joyce Azevedo e tem as filhas: Iracema (20 anos), Açucena (12 anos) e Mel (11 anos). A sua dedicação a família é notória, sendo o que ele apresenta como um das mais bonitas edificações de sua história realizada com muito amor para suportar as dificuldades que são apresentadas no dia a dia da vida real. 


Mantendo o hábito de realizar diversas atividades ao mesmo tempo, o então universitário Caramurú Paiva aceitou o convite do pai para assumir a gerência das duas propriedades rurais familiares aonde trabalhou com criação de caprinos e bovinos, manejo da mata nativa e a produção de comercialização ligada a cajucultura e produtos artesanais derivados do caju.

Ao concluir o curso de Engenharia Agronômica, o recém engenheiro agrônomo Caramurú Paiva passou a trabalhar em Organizações Não Governamentais de Assessoria Técnica a agricultura Familiar. Na primeira delas, o Centro Terra Viva, ele atuou pelo Projeto Umbuzeiro, financiado pela SUDENE/ASSOCENE/REDE CAT, que tinha o foco na assessoria técnica aos projetos produtivos e na formação em gestão de políticas públicas voltadas para conselheiros municipais de desenvolvimento rural dos municípios de Rafael Fernandes, Caraúbas e Campo Grande.

Depois foi para a Cooperativa Terra Livre onde coordenou uma equipe técnica de elaboração de Planos de Desenvolvimento de Assentamentos de Reforma Agrária de Mossoró e região. O bom desempenho e o compromisso destes trabalhos aproximaram Caramuru Paiva ainda mais dos movimentos social e sindical do Estado.

No ano de 2002 Caramuru Paiva foi selecionado para coordenar a implantação da ARCO OESTE, agência de apoio a comercialização da agricultura familiar do médio oeste. O papel da organização era facilitar o escoamento de produtos agrícolas e pecuários em cerca de 10 municípios da região. O projeto era investido pelo Governo Federal através do INCRA RN que ao final de um ano considerou como um grandioso trabalho o desempenho de Caramuru Paiva diante do resultado alcançado.

O Engenheiro Agrônomo Caramuru Paiva ainda foi um dos fundadores e primeiro coordenador institucional do Núcleo Sertão Verde, uma das maiores Organizações Não Governamentais de atuação junto à agricultura familiar do Nordeste Brasileiro com ações premiadas nacional e até internacionalmente.

Entre 2003 e 2008 atuou no Governo do Presidente Lula, quando assumiu a supervisão local do Projeto Dom Hélder Câmara, no Rio Grande do Norte. Através deste cargo coordenou atividades que promoveram a inclusão social e o desenvolvimento sustentável de cerca de 2000 famílias agricultoras em 17 municípios (dentre os quais Triunfo Potiguar). O trabalho recebeu aprovação dos beneficiários e instituições envolvidas e atestadas de excelência das auditorias do FIDA/ONU.

No ano de 2006 assumiu a presidência do PT Campo Grande e a Coordenação partidária do PT na região médio oeste. A frente dos dois cargos contribuiu para que o Partido dos Trabalhadores crescesse regionalmente com a eleição de vários mandatos de vereadores, vice-prefeito e prefeito; e foi decisivo para que o PT assumisse pela primeira vez o cargo de vice-prefeito em Campo Grande.

Na condição de vice-prefeito cumpriu um papel diferente dos seus antecessores executando uma agenda política inovadora com realização de ações que captaram recursos para importantes projetos municipais e fortalecimento das organizações sociais de Campo Grande. Nos eixos prioritários do mandato constou o apoio ao trabalho do executivo com a elaboração de projetos e articulação de investimentos; apoiou a juventude e mulheres; fortaleceu a educação e a cultura; gerou emprego e renda junto com desenvolvimento rural sustentável; se relacionou com a terceira idade; fez um forte trabalho de comunicação social; e promoveu ações de convivência com o semiárido e também as de democratização do Estado através do aperfeiçoamento do funcionamento de alguns conselhos municipais.

O resultado em favor das classes menos favorecidas deu reconhecimento popular ao mandato, mas por outro lado, trouxe reações fervorosas dos setores mais tradicionais e conservadores da política municipal. O que eles não conseguiram apagar foi o fato de, como vice-prefeito, Caramuru Paiva ter conseguido incluir Campo Grande na Coordenação Política Nacional da Rede de Colegiados Territoriais, recebido o prêmio de melhor conselho do FUMAC pelo Banco Mundial e participado decisivamente da conquista de investimentos estruturantes como a ponte de acesso, 7 ônibus, 30 empregos com fábrica de roupa, cursinho gratuito e tantos outros projetos.


Sem perder a dimensão da formação profissional, neste período Caramurú Paiva curso especialização em gestão ambiental pela Faculdade Aldeia de Carapicuíba.

Ao concluir o exercício do mandato de vice-prefeito, o engenheiro agrônomo Caramuru Paiva voltou a atuar no terceiro setor quando coordenou a execução do Programa 1 Terra e 2 Águas, da Articulação do Semiárido com investimentos federais e execução pelo Núcleo Sertão Verde levando formação, tecnologias sociais de convivência com o semiárido e mobilização social para os municípios de Serrinha dos Pintos, Portalegre, Caraúbas e Campo Grande.

No ano de 2014, aceitou o convite para compor a equipe de assessoria parlamentar da Senadora Fatima Bezerra nas regiões do médio e alto oeste potiguar com a responsabilidade de representar o gabinete junto aos poderes executivos e legislativo bem como a sociedade civil organizada do oeste, e oferecer um suporte maior para a atuação do mandato junto as questões relacionadas com o agrário.

No ano de 2016 Caramuru Paiva assumiu a delegacia do Ministério da Agricultura Familiar no Rio Grande do Norte aonde repetiu grande atuação no serviço público conduzindo importantes políticas públicas como o seguro safra, PRONAF, PAC máquinas, programação de documentação da trabalhadora rural dentre outros. Entre e saiu mais uma vez com a marca da ética e da lisura no trato da coisa pública e com elogios das representações do campo e do corpo funcional do Ministério.

Em 2016 ajudou a fundar e se tornou um dos coordenadores da Frente Brasil Popular do Oeste Potiguar que reúne organizações sociais contra a retirada de direitos da classe trabalhadora pela defesa da democracia.

Atualmente Caramuru Paiva está na Assessoria Parlamentar da Senadora Fátima Bezerra, nas regiões do médio e alto oeste potiguar e cursa Mestrado em desenvolvimento territorial pela UERN de Pau dos Ferros.

terça-feira, 10 de julho de 2018

Frente Parlamentar em Defesa da UERN Realizou Audiência Pública no Campus de Patu RN

A Frente Parlamentar e Popular em Defesa da UERN iniciou uma série de encontros regionais nos campi da UERN. Ontem (09/07/2018) o encontro ocorreu em Pau dos Ferros, às 9h, e em Patu, às 19h. Na quarta-feira (11), o encontro será em Natal, às 15h; na sexta-feira (13), o encontro chega a Caicó, às 9h. A mobilização objetiva fortalecer o movimento em prol do ensino superior público, gratuito e de qualidade ofertado pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte.
As reuniões sequenciam os encontros nas cidades onde existem campus da UERN. Os primeiros encontros ocorreram em Mossoró e em Assu, nos dias 21 e 22, respectivamente, de acordo com calendário de atividades para fortalecer a UERN neste ano eleitoral.
Coordenador da Frente Parlamentar e Popular em Defesa da Uern, o vereador e professor Francisco Carlos (PP) explica que não há interesse político-partidário específico na mobilização. “O objetivo é político, no sentido de defesa da instituição universitária”, ressalta o parlamentar, representante da Câmara Municipal de Mossoró na Frente, com os vereadores Izabel Montenegro (MDB), presidente da Casa; Sandra Rosado (PSB) e Isolda Lula Dantas (PT).
O movimento plural e suprapartidário começou a ser pensado em outubro de 2016. É composto por representantes de todos os segmentos da Universidade, membros das câmaras municipais de diversas cidades, Assembleia Legislativa, OAB, associações de classe, entidades culturais e religiosas, entre outras.
O vereador Francisco Carlos acrescenta que, além das reuniões suprapartidárias nos campi avançados, a Frente realizará sabatina com os candidatos ao Governo do Estado e lançará a campanha #VotoEmQuemDefendeAUern.

O encontro no Campus Avançado de Patu foi muito positivo, lotando o auditório do CAP/UERN com a participação de alunos, professores, servidores técnicos administrativos, autoridades de Patu e da região bem como a classe politica representada pelos deputados: George Soares, Fernando Mineiro, Sousa e Carlos Augusto Maia e vários pré- candidatos às eleições deste ano: Caramuru Paiva, Professor Zacarias Marinho, Izolda Dantas, Francisco do PT bem como contou com a participação do prefeito de Patu, Rivelino Câmara, prefeita Janda de Frutuoso Gomes, vice prefeito de Messias Targino, Pla Pinto, ^presidente da Câmara Municipal de Patu, Lucélia Ribeiro, vereadoras Kaká e Roberta Nunes e demais autoridades. Para professora e diretora do Campus Avançado de Patu, Cláudia Tomé,  a audiência pública foi muito positiva pois o Campus foi debatido, bem como a UERN, e todos os presentes assumiram o compromisso em defender a universidade e o Campus de Patu.

*Com informações da assessoria da Câmara Municipal de Mossoró.







quarta-feira, 4 de julho de 2018

A História de Tatá de Mané Sapato.

Edmílson Vieira da Silva, conhecido popularmente como Tatá, nasceu em Patu em 14/04/1963, filho de Etelvina Bezerra da Silva (falecida) e Manoel Pedro da Silva (falecido), conhecido como Mané Sapato, onde o casal teve onze filhos: Damiana, Gilvanete, Doraci, Geneci, Maria de Fátima, José Pedro, Cosmo Pedro, Francisco Pedro, Eudes Pedro, Genival Pedro e Edmilson Viera. Tatá foi membro e fundador do Grêmio Estudantil Hélio Alves da Silva, da Escola Estadual Dr. Edino Jales em 14 de abril de 1987, sendo presidente no ano 1.990 o qual presidiu por 4 anos.
Tatá participou da fundação do bloco Ki-Sarro o qual foi assíduo folião e coreógrafo das fantasias da época. Fundou também o bloco Sarra-Ki, cujo símbolo era um coelho, pois ele dizia que o coelho representava a fertilidade masculina, Ao lado de dona Lourdinha Holanda e outros amigos idealizaram a Feira da Cultura de Patu. Ele também participava ativamente na organização de quadrilhas juninas matutas, como por exemplo, a quadrilha do averso da avenida Lauro Maia. Ele trabalhou na Revendedora de Bebidas de Van da Antártica. Tatá conclui seus estudos na Escola Estadual Dr. Edino Jales, trabalhou no Hospital da APAMI como técnico em enfermagem e no Hospital Municipal Dr. Henderson Josino Bandeira de Moura como técnico de raios-x. Tatá foi um homem que construiu muitas amizades em Patu e na região, ele conseguia juntar uma roda de amigos nas esquinas para ouvir suas histórias, muitas vezes exageradas, até altas horas da noite, cotidianamente, não faltavam assuntos para tantas conversas.
O exagero nas conversas era uma marca dele. Tatá dizia que adversário teria que ser tratado com dureza, sem da espaço algum, mas por outro lado era considerado uma pessoa que gostava de servir e ajudar aos outros. Foi candidato a vereador por duas vezes, ficando na suplência. No ano 2000 foi candidato a vereador pelo PPS e no ano de 2004 candidato pelo PT do B. A campanha política em Patu sem a participação de Tatá nos bastidores não tinha graça. Era amado pelos correligionários e odiado pelos adversários. Para o seu sobrinho Ricardo Vieira, Tatá sempre foi o seu segundo pai e um irmão que ele não teve, foram inúmeras as passagens que teve ao lado dele, mas, a que marcou o seu sobrinho Dr. Ricardo Vieira foi no dia que eu ele disse que iria morar na casa do estudante em Natal, sendo que sua mãe, irmã de Tatá, se negava a deixá-lo por não ter condições financeiras e por ser tão novo para sair de casa para estudar na capital. Tatá disse: Ele vai sim estudar em Natal, não se preocupe pois vou ajudar, e realmente ajudou na sua permanência nos estudos em Natal. Dr. Ricardo Veira se formou em medicina veterinária e agradece muito a Tatá pelo apoio incondicional que recebeu, ficando grato até o resto de sua vida. 
Atimar Godeiro conta que teve oportunidade de conviver com Tatá durante muito tempo, desde sua adolescência, ele sempre procurou envolver-se com os problemas das pessoas e da cidade. Tinha vocação para ajudar as pessoas e gostava da militância política. Muito cedo ele já participava dos movimentos estudantis em Patu e na região. Tatá era muito esforçado no que se propunha a fazer e falava o que pensava, independente de agradar ou não as pessoas. Atimar teve a oportunidade de junto com Tatá militar na política partidária, ele ajudava bastante no desenvolvimento das atividades políticas. Atimar conta ainda que teve afastado dele politicamente em um período, mas sempre respeitando um a ao outro, sentia um carinho especial por ele, não guardando nenhuma mágoa das desavenças políticas do passado. Para o professor Aguinaldo Gomes, Tatá era um homem paradoxal, em suas teses, oscilava do 9 para o 900 em fração de segundos. Era ao mesmo tempo radical e flexível. Gostava de falar que os seus amigos não tinham defeitos, os inimigos se não tivessem ele botava. No tocante à vida sexual, foi um dos primeiros a assumir com autonomia e liberdade, no entanto, não faltou coragem e determinação em não ter assumido a doença e ter continuado o tratamento. Segundo o professor Aguinaldo, a língua de Tatá era uma metralhadora. Ele perdeu o seu primeiro emprego público por não ter poupado nem mesmo o prefeito da época. Já doente, preferiu o ostracismo, eu fui o único amigo a visitá -lo antes de ir para Natal, disse Aguinaldo, disse também que, na última semana em Patu, ele todos os dias ligava pra mim na hora do meu programa para convidar para almoçar com ele. Ainda lembro de uma vez que ele me falou com a voz embargada "você sempre foi meu amigo, que pena que não tive tempo de aproveitar" finalizou Aguinaldo Gomes. Tatá faleceu em 17/04/2007 na capital do estado, Natal-RN, local onde foi sepultado. Aqui está uma parte da história de um jovem amigo, ao mesmo tempo polêmico, que servia aos outros e ao mesmo tempo era crítico e implacável, idealista, mas, radical em seus posicionamentos, muitas vezes cômico, sarcástico e ao mesmo tempo sério e profissional como deve ser. Mas com esse perfil conquistou muitos amigos e o respeito dos adversários pois todos sabiam que era o seu jeito de ser e desta forma a população não esquece, pois Edmílson Vieira, o irreverente Tatá de Mané Sapato deixou o seu registro na história de Patu.

Reportagem: Aluísio Dutra de Oliveira.
Apoio: Dr. Ricardo Vieira, Atimar Godeiro, Aguinaldo Gomes, Francisco Pedro (Sapatinho).
Fotos Cedidas pela família.

 Tatá nas quadrilhas juninas matutas
 Participava e apoiava os eventos esportivos na época das Jornadas Universitária promovidas pela ACUP

Casamento Matuto




segunda-feira, 2 de julho de 2018

Caramuru Paiva mais uma vez bem nas Pesquisas.

Foi publicada mais uma pesquisa CONSULT - FM 98 de Natal. Para Deputado Federal o Engenheiro Agrônomo Caramuru Paiva continua entre os 8 candidatos mais citados na pesquisa.  Depois de nomes tradicionais da política do estado o jovem pré-candidato a deputado federal vem mantendo a oitava colocação, empatado com o pré-candidato a deputado Federal João Maia. Caramuru Paiva é a grande surpresa dessa eleição, sendo uma opção diferente, um jovem de muita luta, principalmente pelo interior que tanto necessita de políticas pública governamentais. Caramuru Paiva o Federal da Senadora Fátima Bezerra.

A História de Tia Mundica do Pé da Serra

Raimunda Pereira Suassuna mais conhecida como Tia Mundica nasceu em 14 de março de 1939 no sítio Palmeira, zona rural de Patu. Filha de Joaquim Etelvino da Cunha, conhecido como Quinca Cândido e dona Severina Pereira Azevedo. Quando jovem ajudava aos pais na agricultura bem como nos afazeres domésticos enquanto sua mãe fazia costuras. Tia Mundica tinha oito irmãos: Epifânio Roco, Eristofano, conhecido como Loló, Bilica, Socorro, Neta, Chiquinho, Mariquinha de Rocha (in Memoriam) e Geraldo (in Memoriam). Em 8 de Agosto de 1958 casou com o senhor Albanir Fernandes Suassuna conhecido como Melé. 
Do enlace matrimonial tiveram nove filhos, mas, se criaram cinco: Gibanir Suassuna, Antônio Pereira, Rita Pereira conhecida como Boboze, Maria das Neves conhecida como Loura e Maria Aparecida. Seu esposo Albanir Suassuna tinha a profissão de pedreiro, inclusive, ajudou na construção do Santuário do Lima juntamente com outros profissionais como Adonias Godeiro, José Trajano “Pernambuco”, Miguel Izidio, João de Eufrásio, Francisco Izidio, Raimundo de Bia, entre outros. Ele possuía na década de 50 uma casinha de taipa no pé da Serra do Lima doada por familiares e ali residia com dona Mundica e os filhos. Na casinha de taipa Tia Mundica ela prestava serviços aos romeiros que visitavam a Serra do Lima onde vendia café, bolos, tapioca, sucos e outros lanches, sendo uma fonte de renda para sustentar a família. A situação de Tia Mundica ficou mais difícil quando o seu esposo Albanir Fernandes Suassuna e o filho Gilbanir Suassuna foram assassinados na zona rural de Patu. O filho Gilbanir Suassuna dar nome a uma rua de Patu no bairro do Quartel.  Ela continuou trabalhando na sua casinha no pé da Serra do Lima vendendo lanches e bebidas bem como outros serviços, como lavagem de roupas para várias famílias de Patu. 
O seu local no Pé da Serra do Lima ficou bastante conhecido pois ela atendia a todos em qualquer hora do dia e da noite. Muitas pessoas chegavam em altas horas da noite ou madrugada e batiam a sua porta chamando de Tia Mundica. Ela se levantava, atendia aos clientes, ia preparar galinha, carne ou outros tipos tira gostos disponíveis enquanto os clientes iam bebendo. O sucesso da barraca de Tia Mundica era grande em virtude que a mesma recebia todos sem distinção e não comentava nada sobre quem frequentava seu estabelecimento. Muitos namoros ou encontros sigilosos acontecia no seu estabelecimento e Tia Mundica ficava na dela fazendo o seu trabalho de servir a quem procurasse o seu estabelecimento.
Muitos casais de Patu e da região devem ter alguma história a contar sobre a barraca de Tia Mundica, de certo não são poucas. Um fato que aconteceu no passado no seu estabelecimento foi quando um grupo de assaltantes ligados ao fugitivo da polícia conhecido como Clécio, assaltou a barraca de Tia Mundica levando seus pertences. Clécio soube do assalto e foi a barraca dela que relatou a situação do assalto, Clécio gostava muito de Tia Mundica e mandou devolver tudo a ela. O tempo foi passando e Tia Mundica teve problemas de saúde que se agravaram e provocaram a sua morte que aconteceu no período da Festa de Nossa Senhora das Dores, em 8 de setembro de 1998. Hoje quem continua vendendo na barraca de Tia Mundica é sua filha Aparecida onde nos finais de semana vende lanches e refeições aos romeiros que participam das romarias ou visitantes e turistas que frequentam o Santuário do Lima, Serra do Patu e do Pelado. Essa é a história de uma senhora simples e humilde que sofreu muito na vida. Mesmo sendo viúva trabalhou incansavelmente para sustentar a sua família, onde os seus filhos, netos e bisnetos tem o maior orgulho dela, mulher forte e batalhadora que lutou pela família até a sua morte e que merece o reconhecimento do povo de Patu e da região pelos relevantes serviços prestados. Tia Mundica faz parte da história de Patu.

Reportagem : Aluísio Dutra de Oliveira.
Apoio: Rita Pereira "Boboze".
Fotos cedidas pela família.
Tia Mundica - Jovem

 Familiares visitando a barraca no Pé da Serra
 O filho Assassinado Gilbanir Suassuna
 Tia Mundica em família



Filhas

Tia Mundica com filha e neta