segunda-feira, 30 de abril de 2018

História do Campo de Pouso Oliveira Rocha

Nos anos 70 Patu era considerada uma cidade polo, em bom desenvolvimento agro-pecuário. Grande produtor de algodão e em consequência um comércio bastante sortido. Na vida social a boate Pântano era conhecida em toda a região por suas festas bem organizadas, como podemos citar as festas organizadas por Miguel Câmara Rocha. O acesso mais natural a Patu acontecia por trem uma vez por dia de Souza a Mossoró e vice- versa. As estradas todas sendo de terra, alimentava nas pessoas o sonho de asfaltamento tanto prometido por políticos. Oportuno por isso foi a construção de um campo de pouso para aviões de pequeno porte.
O major aviador Osvaldo Guimarães Neto, após realizar estudos técnicos, considerou a Fazenda Lajes de Joaquim de Oliveira Rocha, o local ideal para a construção de um campo de pouso. A prefeitura municipal sob a gestão do prefeito Lourival Rocha, encaminhou o projeto ao Governo do Estado. Foi assim que em 1971 foi realizada a terraplanagem numa pista de mil e duzentos metros, toda compactada em terra e arisco, tudo tão bem feito que até hoje não consta nenhum buraco ou valeta. O local foi todo cercado para impedir a entrada de animais.
Na festa da inauguração que aconteceu no dia 11 de março de 1972 vieram vários aviões trazendo o governador do Estado do Rio Grande do Norte, José Cortez Pereira, brigadeiro Everaldo Breves, da Força Aérea Brasileira e representante da Marinha de Guerra do Brasil. Após o corte da fita simbólica houve vários discursos pronunciados no saguão da sede de embarque e desembarque de passageiros. No local havia mesas e cadeiras e filtros com água e telefone fixo em bom funcionamento, para conceder o mínimo de conforto aos passageiros e ou familiares. Logo em frente à sede, atualmente ainda se encontra o monumento comemorativo do evento de inauguração.
Imagine-se a alegria do coronel Oliveira Rocha, por poder prestar mais este serviço para o engrandecimento de Patu. Na realidade, ele mesmo foi um dos primeiros que pôde usufruir das vantagens do campo. Tendo adoecido, ficava muito difícil sua remoção de carro a Natal. Conduzido em avião de Patu a Recife em breve se restabeleceu. Em outro momento, quando Dr. Lavoisier Maia e dona Vilma visitaram Almino Afonso, um dos filhos, em acidente, quebrou o braço, muito rápido um avião desceu no campo de pouso em Patu e o levou a Natal. Quando Joaquim de Oliveira Rocha faleceu, os filhos em sua maioria conseguiram participar do sepultamento graças à possibilidade de chegar de avião até a própria Fazenda Lajes onde está situado o campo de pouso.
Uma história que ficou marcada foi a cura de um grande empresário cearense que tinha problema de visão, dono da Fábrica de Bolachas Fortaleza, conhecido por "Ocivan". O empresário veio de avião que baixou no campo de pouso da Fazenda Lajes do Coronel Oliveira Rocha e a menina curou o problema dele que ofereceu de presente a mesma uma televisão, objeto de consumo muito escasso naquela época onde poucos tinham acesso a este bem.
Por isso seria de suma importância a reforma do campo de pouso já existente ou então a construção de um novo no município, dentro de padrões atualmente exigidos que pudesse favorecer o uso para os habitantes de Patu e pelos turistas que vem de outros países e aqui chegariam de táxi aéreo, dispostos a praticar esportes radicais nesta bela terra tão privilegiada pela natureza, surgindo assim uma nova era para Patu e região. Para qualquer emergência agora seria fácil chegar a Natal, Fortaleza ou Recife.

Texto: Prof. Silvano Schoenberger.
Fotos: Aluísio Dutra de Oliveira e Silvano Schoenberger
Colaborador: Jackson Alves.

 Aluísio Dutra de Oliveira junto a placa comemorativa de inauguração
Jackson Alves colaborou no acesso ao Campo de Pouso

 O prédio atual do Campo de Pouso se encontra ocioso e abandonado 


Placa Comemorativa de Inauguração

Termina Hoje (30/04) o prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda

Termina nesta segunda-feira (30) o prazo para declaração do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF). Até ontem (28), cerca de 4,9 milhões de contribuintes ainda não haviam acertado as contas com o Fisco. O prazo para entrega da declaração começou em 1º de março e vai até as 23h59 de amanhã (30).

Está obrigado a declarar quem recebeu rendimentos tributáveis, em 2017, em valores superiores a R$ 28.559,70. No caso da atividade rural, deve declarar quem teve receita bruta acima R$ 142.798,50. A multa para quem apresentar a declaração depois do prazo é de 1% por mês de atraso, com valor mínimo de R$ 165,74 e máximo de 20% sobre o imposto devido.

Produtores rurais têm até hoje para aderir ao parcelamento de dívidas

O prazo de adesão ao Programa de Regularização Tributária Rural (PRR) termina nesta segunda-feira (30). A adesão ao programa deverá ser feita na unidade de atendimento da Receita Federal do domicílio tributário do devedor, sem a obrigatoriedade de agendamento do serviço, informou o órgão.
Segundo a Receita, a primeira prestação tem que ser paga ainda hoje para que o pedido de adesão ao parcelamento seja aceito.
Fonte: Blog do Robson Pires.

sexta-feira, 27 de abril de 2018

NOTAS PARA A HISTÓRIA DO NORDESTE


Por Shirley M. Cavalcante (SMC)


José Romero Araújo Cardoso, nasceu no dia 28 de setembro de 1969, na cidade de Pombal, Estado da Paraíba, filho de Maria de Lourdes Araújo Cardoso e Severino Cruz Cardoso. Graduou-se em Licenciatura em Geografia pelo Departamento de Geociências do Centro de Ciências Exatas e da Natureza da Universidade Federal da Paraíba, Campus I, João Pessoa - PB.
Cursou Especializações em Geografia e Gestão territorial e em Organização de Arquivos. Submeteu-se no ano de 1998 a concurso público para docente do Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Campus Central, Mossoró - RN, obtendo primeiro lugar. É professor Adjunto-IV. Concluiu, em julho de 2002, mestrado em desenvolvimento e meio ambiente-PRODEMA-UERN, com dissertação versando sobre a importância da caprino-ovinocultura em assentamentos rurais de Mossoró-RN. Assessorou a Fundação Vingt-un Rosado/Coleção Mossoroense, por onde lançou os seguintes livros: Nas Veredas da Terra do Sol (1996), Terra, Verde, Chapéu de Couros e Outros Ensaios (1996), Aos Pés de São Sebastião - Novela Sertaneja (1998), Fragmentos de Reflexões - Ensaios Selecionados (1999), A Descendência de Jerônimo Ribeiro Rosado e Francisca Freire de Andrade - A Família de Menandro José da Cruz (2001), A Importância da Caprino-ovinocultura em Assentamentos Rurais de Mossoró-RN (2002) e Euclides da Cunha e as Secas (2005). É autor de inúmeras plaquetas, a exemplo de Mossoró e a Resistência a Lampião (2002) e de Maria do Ingá a Maringá (2003). É sócio correspondente do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte, membro do Conselho Consultivo da Sociedade Brasileira de Estudos do Cangaço e sócio da Associação Paraibana de Imprensa, além de sócio fundador do Grupo Benigno Ignácio Cardoso D’Arão. Estudioso do semi-árido nordestino e dos movimentos sociais desta região.
Boa Leitura!

Escritor José Romero, é um prazer contarmos com a sua participação na Revista Divulga Escritor. Conte-nos o que o motivou a escrever “Notas para a história do Nordeste”?
Romero Cardoso - A motivação para escrever "Notas para a História do Nordeste" está diretamente vinculada ao sentimento telúrico que nutro pela região Nordeste, pois riquíssima em episódios históricos marcantes, com ênfase ao cangaço, notabiliza-se como celeiro fértil de variados temas que busquei abordar a fim de socializar conhecimentos que venho adquirindo através de leituras e estudos de campo. Renomado bibliófilo de nome Francisco Pereira Lima, natural de São José de Piranhas/PB, residente em Cajazeiras/PB, instigou-me a elaborar trabalho literário, visando contribuir para a compreensão da região em diversos momentos.
Quais os principais objetivos a serem alcançados por meio da publicação desta obra literária?
Romero Cardoso - A primeira versão de Notas para a História o Nordeste é em formato e-book. Estou lutando para que a obra seja lançada em formato impresso. Lancei-a em Princesa Isabel/PB, no dia 19 de março de 2015, quando do evento cultural “Cariri Cangaço Princesa 2015”, ocasião em que realizei conferência sobre o Território Livre estruturado em 1930, pois os principais objetivos de “Notas para a História do Nordeste” são destacar marcas indeléveis de nossa História e buscar evitar que as gerações presentes e futuras não sejam vítimas de processo de aculturação que atinge frontalmente as bases de nossa identidade enquanto nordestinos. 
Apresente-nos os principais desafios para escrita de “Notas para a história do Nordeste”.
Romero Cardoso - A falta de estímulo para que a cultura tenha lugar de destaque apresenta-se como desafio à concretização de projetos literários. Para lançar “Notas para a História do Nordeste”, contei com a colaboração imprescindível da Profa. Dra. Marinalva Freire da Silva, residente em João Pessoa/PB, cujo auxílio, tanto no quesito revisão como organização, foi extremamente positivo. No presente, o maior desafio está sendo publicar “Notas para a História do Nordeste” em formato impresso, pois a crise por que passa o País tem fomentado nefastas manifestações de desprezo à cultura.
Conte-nos um fato que o marcou após pesquisas para escrita desta histórica obra literária.
Romero Cardoso - O fato mais marcante foi o convite feito pela diretoria do Cariri Cangaço para realizar conferência em Princesa Isabel/PB, pois vários capítulos de “Notas para a História do Nordeste” destacam o turbulento início da década de 30 do século XX no Estado da Paraíba.

O que mais o atrai na cultura nordestina?
Romero Cardoso - A originalidade e a resistência atraem-me consideravelmente. O Nordeste é um campo fértil para pesquisas de variadas matizes de estudos. A cultura nordestina é ímpar, pois o processo de construção coletiva ainda apresenta-se bastante preservada, exemplo disso vamos encontrar na proeminência da literatura de cordel em quase todos os quadrantes da região, servindo, dessa forma, como suporte ao reconhecimento enquanto nordestinos, estabelecendo o sentido de pertencimento.

Onde podemos comprar o seu livro?
Romero Cardoso - Como destaquei em resposta anterior, “Notas para a História do Nordeste” ainda encontra-se em formato e-book. Estou aguardando que surja momento oportuno para que seja lançado em formato impresso. Os exemplares que levei para ser divulgados em Princesa Isabel/PB foram todos comprados. Espero que o formato impresso, quando for publicado, disponibilize-o para o maior número possível de leitores possa ter mais uma fonte de informações sobre o Nordeste Brasileiro.

Quais os seus principais objetivos como escritor?
Romero Cardoso - Divulgar a cultura regional e contribuir para a valorização da região Nordeste, tendo em vista que há uma forte tendência estimulada pelos objetivos e propósitos da globalização em sua fase atual de macular as bases da nossa formação cultural, pois sob a ótica do capital não interessa a preservação da memória, tanto local como regional. 

Você participa das atividades do “Cariri Cangaço”. Apresente este projeto para nossos leitores.
Romero Cardoso - Ainda não integro o Cariri Cangaço. A direção da confraria cultural reuniu-se em Princesa Isabel/PB e aventou a hipótese de inserir-me como membro do Cariri Cangaço, mas parece que não houve consenso.
Esse projeto importantíssimo, fruto da obstinação do curador Manoel Severo Barbosa, visa contribuir para a compreensão dos estudos regionais através da realização de eventos culturais, os quais já foram realizados em vários Estados Nordestinos.

Quem desejar conhecer as principais atividades desenvolvidas pelo “Cariri Cangaço” como deve proceder?
Romero Cardoso - A melhor forma é através da participação dos eventos culturais que vem sendo realizados. O site do Cariri Cangaço demonstra a importância assumida pelo projeto cultural que vem tornando-se referência para os estudos sobre o Nordeste Brasileiro. 

Pois bem, estamos chegando ao fim da entrevista. Muito bom conhecer melhor o escritor José Romero Araújo Cardoso. Agradecemos sua participação na Revista Divulga Escritor. Que mensagem você deixa para nossos leitores?
Romero Cardoso - Que valorizem a cultura regional e busquem se aperfeiçoar nas técnicas de escritas, conseguidos através de leituras e elaboração de textos, pois a evolução humana passa obrigatoriamente pela educação e pela cultura.



Divulga Escritor, unindo você ao mundo através da Literatura
https://www.facebook.com/DivulgaEscritor
Contato: divulga@divulgaescritor.com

FONTE: https://portalliterario.com/entrevistas/entrevistas-brasil/569-romero-cardoso-apresenta-notas-para-a-historia-do-nordeste.





quarta-feira, 25 de abril de 2018

A História da Professora de Inglês Sebastiana Aureniva

Sebastiana Aureniva nasceu no sítio Escondido, zona rural de Patu-RN em 20 de janeiro de 1932, filha de Delfino Belarmino e dona Francisca Ernestina da Silva. Até seus 15 anos ela trabalhava ajudando aos pais na lida rural. Os seus ancestrais  habitaram na comunidade do Escondido, onde nasceu sua mãe Francisca Ernestina da Silva que casou com Delfino Belarmino Ferreira, onde nasceram os filhos:  Eurides Edite Ferreira Leão, Antônio Belarmino de Azevedo e Sebastiana Aureniva.
Seu pai Delfino Belarmino resolveu deixar a família e foi embora para o estado do Acre para trabalhar como seringueiro onde retirava a matéria prima para a produção de borracha. Depois de muito tempo ele veio a falecer lá pela região norte. Segundo o historiador patuense Petronilo Hemetério Filho, Dona Francisca Ernestina trabalhou e criou seus filhos com disciplina exemplar. Senão conseguiu fazer tudo, fez tudo que pôde para criar sua família sozinha, com muito sacrifício e trabalho. Fez com que eles aprendessem a ler e escrever. A vida do sertanejo é muito dura, tem que trabalhar com a família de sol a sol, para produzir alimentos para a sobrevivência no campo.
Em 6 de maio de 1970, Aureniva concluiu o curso de inglês pela Sociedade Cultural Brasil Estados Unidos e em janeiro de 1971 concluiu o curso de Fonética em língua inglesa pela mesma instituição. Residindo em Caicó ela iniciou a sua vida profissional no CADES - Curso Preparatório. Em 1974 trabalhou na Escola Estadual Joaquim Apolinar - EEJA. Concluiu curso superior no NAC - UFRN - Núcleo Avançado de Caicó - Universidade Federal do Rio Grande do Norte onde se graduou em Letras. Como professora ensinou inglês no curso Brasil - Estados Unidos bem como na rede de ensino público de Caicó-RN. Em 1978 concluiu o curso de Técnicas Modernas para o Ensino da Língua Inglesa pelo C.C.A.A – Centro de Cultura Anglo Americana. Em julho de 1985 concluiu mais um curso de inglês denominado Book Four pelas Escolas Fisk.
Sebastiana Aureniva se aposentou no ano 2000 onde retornou a Patu para fazer algo pelo município onde nasceu. Ela hoje é presidente da Associação Comunitária da Comunidade Rural Escondido. Em 06 de maio de 2012 foi inaugurado na comunidade Rural Escondido o Museu Rural que leva o nome da sua mãe, Dona Francisca Ernestina, representando assim um marco na cultura patuense.  A professora Sebastiana Aureniva deixou a sua marca na cidade de Caicó onde durante muitos anos desenvolveu a sua vida profissional, possuindo um grande respeito por parte da sociedade seridoense. Portanto essa é a história da catedrática professora de Inglês Sebastiana Aureniva que dedicou a sua vida a educação em uma área específica muito difícil, principalmente na época de sua formação, ou seja, a área de língua estrangeira.

Reportagem de Aluísio Dutra de Oliveira.
Fotos: Sebastiana Aureniva.









 Gladstone Godeiro Dura e Sebastiana Aureniva







terça-feira, 24 de abril de 2018

CARAMURU PAIVA TERÁ O APOIO MACIÇO DO EX-PREFEITO DE PARELHAS E PRÉ-CANDIDATO A DEPUTADO ESTADUAL, FRANCISCO DO PT.


Uma dobradinha que trará grandes benefícios para o projeto de Caramuru Paiva como postulante a câmara dos Deputados.
O ex-prefeito de Parelhas, na região do Seridó, Francisco do PT, lançou no último sábado, a sua pré-candidatura a deputado estadual. Um evento recheado de presenças ilustres não só do Partido dos trabalhadores, como de siglas partidárias que devem compor aliança com o PT.
Na sua fala, Chico do PT, como também é conhecido, fez uma citação que em muito reflete no que poderá ganhar o Oeste potiguar. O pré-candidato disse que parte para a luta por uma vaga no legislativo do RN, tendo uma parceria afinadíssima com o engenheiro agrônomo Caramuru Paiva e que pedirá aos seus amigos, correligionários e eleitores, que sigam a dobradinha Francisco/Caramuru, por que conhece o trabalho sempre ativo e igualitário de Caramuru Paiva.
O apoio do ex-prefeito de Parelhas e pré-candidato a assembleia legislativa, renderá frutos valorosos para a candidatura a deputado federal de Caramuru Paiva, que já começa a ser difundida no Seridó no RN.
Francisco do PT tem o apoio do atual prefeito de Parelhas, Antônio Petronilo e mostra que a candidatura do petista vem com amplas chances de uma cadeira no parlamento estadual.
Fátima Bezerra se fez presente e enalteceu a história política de Francisco do PT, dizendo que o Seridó e o Rio Grande do Norte, terão muito o que ganhar, com a representatividade do ex-prefeito parelhense, na assembleia legislativa.
Emocionada, a governadorável repassou aos presentes o que lhe disse o ex-presidente Lula: "Diga aos quatro cantos do nosso Brasil, que eu não vou desistir da luta”.

Fonte: RN Política em dia


Janduís sedia encontro do Movimento Escambo

Artistas e grupos culturais do Movimento Popular Escambo Livre de Rua devem se encontrar no período de 27 e 29 de abril de 2018, em Janduís/RN.
O 48º encontro é realizado ao mesmo tempo em que o “Escambito Raízes”, encontro que acontece anualmente com menos representações, para celebrar o aniversário da Cia. Ciranduís.
São esperados pelo menos 100 artistas do Rio Grande do Norte, Ceará e Paraíba para troca de saberes, rodas de conversas, vivências e ofertados 10 espetáculos gratuitos a comunidade.

“O intuito da atividade é celebrar os 25 anos da Companhia Ciranduís, fortalecer as ações do Movimento Escambo e mais que isso, quebrar um pouco o clima sombrio que paira sobre a cidade com alguns fatos ocorridos deixando a comunidade em comoção”. Declarou J. Rhuann, coordenador da Cia. Ciranduís.
O 48º Escambo Popular e Escambito Raízes conta com as parcerias da Prefeitura de Janduís, FUNCULT, Senadora Fátima Bezerra, Dr. Salomão Gurgel, Neto Gonçalves, ALSOL, Net Mais, Jacinto Fernandes – vice-prefeito, Oficina do Deyjair (Frutuoso Gomes/RN) E CS Design.

Fonte: Ciranduis.

Governador Robinson Faria revela que o vice Fábio Dantas queria demitir 20 mil pais de família


O vice-governador Fábio Dantas sugeriu ao governador Robinson Faria (PSD) a demissão de 20 mil pais de família. A revelação foi feita pelo próprio governador, durante entrevista concedida ao Jornal de Fato, em Mossoró. Semana Passada, Dantas havia declarado ao mesmo veículo de comunicação que a candidatura à reeleição de Robinson Faria seria uma “insensatez”. Robinson, no entanto, agora deu o troco, expondo a articulação do vice-governador para demitir servidores públicos efetivos.
Robinson Faria criticou ainda o fato de Fábio Dantas agora falar do governo, do qual, segundo o governador, participava ativamente. “Como é que um vice-governador que participou do nosso governo, de todas as reuniões, com direito a voz, que deu sugestões, que indicou espaços no governo, quer falar mal agora? ”, questionou.
De acordo com Robinson, entre as sugestões administrativas desencadeadas por Fábio Dantas Fábio, destaca-se a que envolvia a demissão de 20 mil funcionários públicos – medida essa que não foi acatada pelo governador, que optou pela manutenção do emprego dos servidores estaduais.
“Ele (Fábio) tem dito que ofereceu uma fórmula para enfrentar a crise. Qual foi a fórmula? A que ele queria que eu demitisse 20 mil servidores efetivos, pais de família? Eu não faço isso. Eu estou pagando um preço por não ter demitido, como queria o vice-governador. Não estou arrependido. Ao contrário. Estou tentando salvar o emprego deles”, revelou.

NOTA DO BLOG. Um sem futuro falando do outro.  

segunda-feira, 23 de abril de 2018

História do Bairro do Fomento e o Açude do Governo

Nos anos 40 até os anos 70 o governo federal implantou em muitos municípios do Brasil um projeto ou programa denominado de Fomento Agrícola. Fomento vem de fomentar, estimular, incentivar, auxiliar. O programa Fomento Agrícola tinha esse objetivo de impulsionar e incentivar a agricultura através de ações técnicas e de implementos agrícolas utilizando máquinas e equipamentos para o desenvolvimento dos trabalhos na agricultura. No Rio Grande do Norte alguns municípios tiveram implantados pelo governo federal o programa Fomento Agrícola, citamos por exemplo o Fomento Agrícola da cidade de Caicó-RN e de Patu-RN. 
O Fomento Agrícola de Patu ficava localizado onde hoje é o bairro popularmente conhecido como Bairro do Fomento, exatamente pelo local onde estava localizado a sua sede administrativa. O escritório do Fomento Agrícola de Patu ficava instalado em um prédio na rua Dr Aderson Dutra de Almeida onde hoje esse prédio se encontra em ruínas sob os cuidados do senhor Joaquim Pessoa que desde os anos 80 toma conta para que vândalos não utilizem o mesmo para outros fins. Naquela época poucas casas existiam no bairro, parecia mesmo uma comunidade rural. Através das ações do Fomento Agrícola o governo federal construiu um açude conhecido por todos como "Açude do Governo" ele ficava localizado entre os bairros do Fomento e Quartel, sua parede ficava localizada onde hoje é a rua Laurita Ferreira de Lima. 
As águas que chegavam ao açude do governo vinham através do canal que passa ao lado da Boate Pântanos, atravessando a avenida Laura Maia, seguindo até o mesmo. No início dos anos 70 o prefeito de Patu da época, Lourival Rocha, fez manutenção nesse açude bem como construiu na avenida Lauro Maia uma ponte sobre o canal da Boate Pântanos. Como o açude era do governo, portanto público, todos utilizavam o mesmo para as atividades e necessidades do dia a dia, carroceiros retiravam água, lavadeiras lavavam roupas, agricultores retiravam água para as plantações, ou seja, era um açude que beneficiava a todos. Segundo informações de Neto da Serraria, ele conta que na véspera do seu aniversário, ou seja, dia 4 de março do ano de 1976, por volta de uma hora da tarde começou uma chuva muito forte em Patu que durou a tarde inteira.
Essa chuva provocou alagamentos em vários locais da cidade, a parede lateral da Boate Pântanos desabou, o canal transbordou e o Açude do Governo não suportou a grande quantidade de água, vindo provocar o seu arrombamento, naquela tarde do mês de março. Hoje só restam as lembranças desse açude público que serviu tanto a população de Patu. O programa Fomento Agrícola foi desativado e hoje o prédio se encontra em ruínas no bairro que levou o seu nome. Anos depois a Câmara Municipal de Patu aprovou projeto de lei dando um novo nome ao Bairro do Fomento, que atualmente leva o nome do ex-prefeito de Patu, Epitácio Andrade. Portanto essa é mais uma história de Patu. A história do bairro que em décadas passadas funcionou um importante projeto do governo federal, chamado de Fomento Agrícola, onde também foi construído o Açude do Governo, hoje lembrado pelos moradores mais antigos que recordam bem desse período.

Reportagem de Aluísio Dutra de Oliveira.



Colaboradores: Neto da Serraria, Antônio José da Silva, Michael Douglas, Pablo Vinícius, Joaquim Pessoa e Sandoval Dutra.

 Antigo Escritório do Fomento Agrícola de Patu-RN

 Antigas casas do bairro do fomento

 O antigo escritório do Fomento Agrícola encontra-se em ruínas

  Antigas casas do bairro do fomento

Local onde foi a parede do Açude do Governo

 Bairro do Fomento, Hoje Epitácio Andrade

 Riacho do Açude do Governo




Patu Já passou de 700 Milímetros de Chuvas este ano.

A cidade de Patu neste ano de 2018 já passou dos 700 milímetros. Segundo informações da EMPARN Patu acumula este ano 701 milímetros de chuvas, atingindo assim a média de chuvas do Nordeste que gira em torno de 700 milímetros. Para a cidade de Patu atingir agora a sua média histórica de chuvas nos últimos 20 anos, que é de 830 milímetros, faltam 129 milímetros.  O açude Paulista no dia de ontem (22/04/2018) faltava 1 metro e 20 centímetros para atingir a sua sangria.

Barragem Armando Ribeiro ainda precisa aumentar 14 metros para atingir cota de sangria

O nível da lâmina de água da barragem Armando Ribeiro Gonçalves aumentou de ontem para hoje, 23 de abril, vinte e um centímetros.
No período de 12 de fevereiro, data em que foi registrado o menor nível de 2018, até hoje, a elevação acumulada no nível da barragem foi de 6,49 metros.
Faltam 14,05 metros para a barragem atingir a cota de sangria.

Vacinação contra a gripe começa hoje em todo o país

Começa hoje (23) a 20ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza. Até o dia 1º de junho, devem ser imunizados idosos a partir de 60 anos, crianças de 6 meses a menores de 5 anos, trabalhadores da saúde, professores das redes pública e privada, povos indígenas, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), pessoas privadas de liberdade e funcionários do sistema prisional.

Pessoas com doenças crônicas e outras condições clínicas especiais também devem receber a dose. Neste caso, é preciso apresentar uma prescrição médica no ato da vacinação. Pacientes cadastrados em programas de controle das doenças crônicas do Sistema Único de Saúde (SUS) devem procurar os postos de saúde em que estão registrados para receber a vacina, sem a necessidade de prescrição médica.

Deputado preso integra comissão que prepara novo Código de Processo Penal


Da Revista Fórum

Indicação de João Rodrigues (PSD-SC) foi feita em abril de 2015 e ele foi condenado em segunda instância em 2009 por fraude e dispensa de licitação, quando era prefeito da cidade de Pinhalzinho, em Santa Catarina

Preso desde fevereiro por determinação do Supremo Tribunal Federal (STF), o deputado João Rodrigues (PSD-SC) é um dos parlamentares que integram a comissão especial que analisa a proposta de novo Código de Processo Penal (CPP). Em caso de aprovação, o novo CPP vai substituir o atual, que é de 1941. O código, segundo reportagem de Fernanda Vivas, do G1, traz regras para investigações criminais e ações penais que podem resultar em condenações na Justiça.

O líder do PSD, deputado Domingos Neto (CE), justificou o fato, por meio de sua assessoria, dizendo que o deputado foi reconduzido às comissões que já participava antes – procedimento comum na Casa. Afirmou, também, que o processo de Rodrigues não transitou em julgado – ou seja, não se esgotaram as possibilidades de recursos na Justiça. E que, até a indicação para a comissão, o deputado ainda estava em atividade na Câmara.

A indicação de João Rodrigues para a comissão foi feita em abril de 2015 e ele foi condenado em segunda instância em 2009 por fraude e dispensa de licitação, quando era prefeito da cidade de Pinhalzinho, em Santa Catarina. Em fevereiro de 2018, foi preso, por determinação do Supremo Tribunal Federal, que negou recurso do parlamentar e determinou a execução provisória da pena, de 5 anos e 3 meses de prisão.

Fonte: www.falandoverdades.com.br/ Via O Messiense.

Direito da Ufersa alcança 2º lugar no Exame da OAB com 84% de aprovação


A Ordem dos Advogados do Brasil, OAB, divulgou na noite desta terça-feira, dia 17, os dados finais do XXIV Exame da Ordem realizado com os alunos egressos de Direito de todo o país. Pelo ranking, e considerando o critério para selo OAB (mais de 20 inscritos), o curso de Direito da Ufersa obteve um índice de 84% de aprovação geral entre os seus alunos inscritos.

Foi o segundo melhor índice nacional, ficando atrás apenas da Universidade Federal de Sergipe, que alcançou a média de 90% de aprovação. “Parabéns a todos que fazem o curso de Direito Ufersa. Isso é espelho de um forte compromisso com o ensino. Um curso tão novo em meio a tantos cursos históricos. O orgulho só aumenta. Parabéns a todos: Reitoria, Pró-reitorias, Centro, Docentes, Técnicos e, em especial, os nossos discentes”, comemorou o Coordenador do curso de Direito, o professor José Albenes Bezerra Júnior.

Pelos dados, mais de 1000 cursos de Direito de centenas de instituições de ensino do país tiveram seus alunos avaliados pelo Exame da OAB. O curso de Direito da Ufersa se destacou mais uma vez. Dos 25 alunos que participaram do Exame, 21 foram aprovados. A média nacional de aprovação no exame foi de 23,35%. Esse resultado veio num dia festivo para a Ufersa.

Segue o ranking das cinco primeiras colocadas:

1. Universidade Federal de Sergipe – 90%
2. Universidade Federal Rural do Semi-Árido – 84%
3. Universidade de São Paulo – 81,48%
4. Universidade Federal de Minas Gerais – 80,92%
5. Universidade Federal de Juiz de Fora – 79,71%

Fonte: www.gutembergmoura.com.br/via O Messiense.

quinta-feira, 19 de abril de 2018

Agência do Banco do Brasil de Patu fica sem funcionamento por falta de energia elétrica


Em Patu, a agência do Banco do Brasil está sem funcionar por completo desde a última terça-feira, 17 de abril. Nem mesmo os terminais de autoatendimento estão funcionando.
O motivo é a falta de energia elétrica na referida agência bancária, ocasionada, segundo informações de quem trabalha na agência, pela queima de um transformador de energia que serve unicamente ao Banco, localizado num poste que fica em frente à agência.
Ninguém, porém, sabe indicar uma precisão de quando o problema será resolvido, pois é necessário adquirir um novo transformador, medida que, segundo a burocracia da legislação e do próprio Banco, não será realizada com tanta imediatidade.
Enquanto isso, alguns serviços do Banco do Brasil são prestados pelo Correio e por empresas correspondentes.
A agência do Banco do Brasil de Patu é responsável pelo atendimento de uma população bastante razoável, tanto do Município de Patu como de Municípios que estão no seu entorno.
Fonte: O Messiense.

História do Açude do Paulista - Patu-RN

Em um passado muito distante a família Leite, através do seu patriarca, Etelvino Leite, possuía uma grande quantidade de terras localizadas entre os municípios de Patu e Olho D'água do Borges. O senhor Etelvino Leite vendeu essas terras há vários proprietários rurais, como o Coronel Oliveira Rocha e o senhor Vicente Felipe de Moura, entre outros. Nessas terras passava um riacho denominado de Paulista, onde na época do inverno por ele percorria grande quantidade de água. Nos idos dos anos 70, sendo prefeito de Patu o senhor Lourival Rocha e o governador do Estado do Rio Grande do Norte, Cortez Pereira, deram início a construção da estrada ligando Patu a Olho D'água do Borges, hoje denominada de RN 117. A RN 117 teria de cortar o Riacho Paulista, então foi preciso construir uma ponte sobre o mesmo.
A estrada serviu de parede e desta forma um açude foi construído no leito do Riacho Paulista, sendo ainda construído o sangradouro que fica localizado abaixo da ponte do Riacho Paulista, hoje é a ponte sobre a parede do Açude do Paulista. Em 30 de março de 1973 o Governador Cortez Pereira e sua comitiva chegava de avião a Patu, onde o mesmo aterrizou no Campo de Pouso da Fazenda Lajes. Na oportunidade o Governador Cortez Pereira, juntamente com o coronel Mauro Luiz Gomes dos Santos vieram a Patu para a inauguração da 3ª Cia de Policia Militar, pertencente ao 2º Batalhão de Polícia Militar. Após a inauguração da 3ª Cia de Policia Militar todos foram para inauguração do Açude do Paulista. Segundo relato em cartas de dona Carmelita Rocha, esposa do Coronel Oliveira Rocha, ele mandou fazer uma cerca e pintar as estacas todas de branco e limpou o leito do açude, até onde é terra dele.
As águas do açude do Paulista beneficiaram pela vazante vários proprietários de terras daquela localidade, como podemos citar o próprio Joaquim de Oliveira Rocha, Vicente Felipe de Moura, Luiz Felipe e Sebastião Felipe. Além do mais, abasteceu a cidade de Patu até o momento em que a tubulação seria estendida ao açude do Tourão, devido sua maior capacidade. Infelizmente as tubulações não chegaram ao açude Tourão para o abastecimento da cidade de Patu deixando a mesma em colapso. O grande consumo de água, ocasionado pelo crescimento da cidade, parecia ter solução apenas através da adutora que traria água da Barragem Armando Ribeiro Gonçalves de Assu. Na realidade até hoje não se encontrou uma solução adequada e permanente para o problema da falta de água de Patu.
No ano de 1996 o Açude do Paulista teve uma grande cheia onde o mesmo transbordou fazendo a alegria de toda a cidade. Depois de um longo período de estiagem, mais de dez anos, o Açude do Paulista veio transbordar no ano de 2008. Nesse ano o inverno em Patu foi muito intenso, bem como em toda região. Naquele ano o registro pluviométrico, segundo a EMPARN, foi de 1.397 milímetros, ou seja, quase o dobro da média do Nordeste que gira em torno de 700 milímetros.
No início do mês de abril de 2008 foram registradas fortes chuvas em Patu de 118, 126 e 141 milímetros onde encheram vários açudes do município como: Pé da Serra, Vicentinho e Morada Nova, todos eles trasbordaram para o açude do Paulista que rapidamente encheu. No dia 04 de abril de 2008 por volta das 23:55 h o açude do Paulista iniciou sua sangria trazendo muita alegria pois o mesmo fazia muito tempo que não transbordava. 
No dia (08/04/2008) choveu forte em Patu, no momento da chuva surgiu uma notícia na cidade do possível arrombamento do açude de propriedade do senhor Antônio Suassuna, localizado no Pé da Serra do Lima. Na época a polícia fez um alerta a todos os moradores dos bairros Epitácio Andrade (Fomento) e Nova Patu sobre a situação. Muitos dormiram em escolas e na Capela de Santa Teresinha. O açude de Vicentinho, na época, recebeu reforço da empresa responsável pela obra que estava sendo feita na BR 226, trecho Patu-Almino Afonso onde foram colocadas pedras nos locais dos sangradouros.
O açude do Paulista continuava transbordando e recebendo mais águas, pois as chuvas continuavam fortes naquele mês de abril de 2008. Às margens da RN 117 estava tudo alagado com a sangria do açude que abriu outro espaço, onde uma parte do sangradouro rompeu abrindo valas para outros locais, sendo um sinal de alerta para o açude da Fazenda Lajes.
As águas começaram a escavar a parede do açude do Paulista e assombrou a população de Patu pois havia riscos de arrombamento. Na manhã do dia (09/04/2008), uma equipe formada por policiais militares de Patu, como o  Capitão Gurgel, Subtenente Apolinário, Sargento Armendes, Cabo Benjamim e muitos voluntários da cidade como a pessoa de Shaiche irmão de Sheyla, José Ernesto Sobrinho "Zé Doido" e muitos outros iniciou a abertura de uma valeta do outro lado do açude, tendo essa iniciativa tomada pelo policial Antônio Apolinário, que vendo o perigo foi até a residência do prefeito Possidônio Queiroga,  que era perfeito a época, juntamente com os companheiros da Polícia Militar, e após ele tomar conhecimento autorizou a compra de várias enxadas e chibancas e dessa forma fizeram a abertura de uma valeta que amenizou muito a força das águas pela parede, enquanto a escavadeira que tinha sido solicitada não chegava, tendo essa máquina chegado nas primeiras horas da tarde. A escavadeira da Empresa EIT - Empresa Industrial Técnica - trabalhou vários dias para evitar que a água atingisse a parede do açude. A população de Patu acompanhava tudo da ponte do açude, preocupada com aquela situação de risco de arrobamento do mesmo, fato esse que chamou a atenção também da imprensa que passou a informar noticias para todo o estado sobre a situação de alerta da cidade de Patu, com relação às fortes chuvas caídas no município, onde recebeu a cobertura jornalística dos seguintes veículos de comunicação: Jornal de Fato, TV Ponta Negra, Inter TV Cabugi, Gazeta do Oeste, Jornal O Mossoroense, Correio da Tarde, Blog do Campelo, Blog da Paróquia de Patu, Blog do Márlio Fortes e Blog da Folha Patuense, entre outros. No dia 10 de abril de 2008 o Açude Tourão também transbordava, onde há vinte anos anos não chegava a esse intento, o mesmo chegou a uma lâmina de água de mais de 50 cm sobre o seu sangradouro.
Aquele mês de abril de 2008 ficou registrado na história de Patu como das grandes chuvas caídas no município onde as mesmas ameaçaram o açude do Paulista de ser arrombado. Agora em 2018 o Açude do Paulista está recebendo um bom volume de água e sua sangria é aguardada para os próximos dias. Aqui relatamos um pouco da história do Açude do Paulista, assim denominado em virtude do antigo riacho Paulista que deu origem ao seu nome, bem como é o açude mais querido do município de Patu que apesar de está localizado em terras de particulares a população de Patu já adotou o mesmo como público.

Reportagem: Aluísio Dutra de Oliveira.
Colaboradores: Silvano Schoenberger, Mirian Rocha, Dona Carmelita Rocha “In Memorian e Sandoval Dutra.
Fotos: Aluísio Dutra de Oliveira.


Coronel Oliveira Rocha e Dona Carmelita Rocha


Vicente e Tião Felipe


Aluísio Dutra - Sangria do Açude do Paulista ano de 1996 


Dona Carmelita Rocha - Esposa do Coronel Oliveira Rocha


Ponte sobre o Açude do Paulista