terça-feira, 7 de julho de 2020

243 Anos da Fundação da Capela de Nossa Senhora das Dores Patu RN


O Padre Evaldo Bette, referindo-se a escritos do velho livro de Tombo do Santuário de Nossa Senhora dos Impossíveis, cita: “... o capitão Geraldo Saraiva de Moura fez o capitão Inácio de Azevedo Falcão e sua mulher Cosma Leitão de Carvalho, doar a Nossa Senhora das Dores, quarenta braças de terra, se constituindo a si mesmo administrador de Nossa Senhora das Dores..., quarenta braças pegando do lugar onde está determinado a fazer a capella da dita senhora... e logo pelo dito aceitante administrador capitão Saraiva de Moura foi dito que ele aceitava esta escritura como administrador de Nossa Senhora das Dores... Sítio Patu de Dentro aos 7 de julho do ano de Nosso Senhor Jesus Cristo de 1.777..., Villa de Portalegre, Capitania do Rio Grande do Norte, Comarca da Paraíba”.
Em 1779, o Pe. Bartolomeu Monteiro, missionário itinerante, inicia a construção da capela de Nossa Senhora das Dores, no sítio Patu de Dentro. Depois de construída, a capela ficou bastante abandonada. Em 27 de fevereiro de 1849, por ocasião de sua visita pastoral, o cônego Manuel José Fernandes, representando o bispo da Paraíba, escreve no livro de tombo: “... esta capela de Nossa Senhora das Dores do Patu de Dentro, filial da Matriz de Apudy... era pouco ornada de paramentos, sem administrador e tudo em desordem e confusão...”
Em 1852 foi fundada a Paróquia de Patu. O primeiro vigário (de 1852 – 1856) chamava-se Pe. Estolano. De acordo com diversos relatos, teria desrespeitado uma moça e a família para vingar-se teria colocado veneno no cálice. Ingerido ou não o veneno, o certo é que sobreviveu. O segundo vigário de Patu chamava-se Pe. Pedro Leite Pinto (1856 – 1860). O terceiro foi Pe. Domingos Pereira de Oliveira (1860 – 1872). Consta que teve muitos filhos e filhas na convivência com a escrava Severina, para a qual conseguiu carta de alforria. Pe. Domingos está sepultado no cemitério velho de Patu. O quarto vigário foi Pe. Pedro Soares de Freitas (1873 – 1891). 5º Pe. Vicente Giffone (1891 – 1895). 6º Pe. Tertulino de Queiroz (1895 – 1902). 7º Pe. Abdon Lima (1902 – 1903). 8º Pe. José Antônio da Silva Pinto (1903 – 1909). 9º Pe. João Alfredo da Cruz (1910 – 1912). 10º Pe. José Soares de Albuquerque (1912 – 1913). 11º Pe. Emídio Cardoso (1913 – 1914). 12º Pe. Misael de Carvalho (1914 – 1919). 13º Pe. Aarão Andrade (1919 – 1921). 14º Pe. Jorge Aneken, M.S.F 1921-1923. 15º Pe. Geraldo Magela (1.924-1.933). 16º Pe. José Scholl (1.922-1.926). 17º Pe. Francisco Scholl (1.926-1.935). 18º Padre Valentim, Sigismundo Dryjanslki e Heriberto M.S.F (1.938-1.942). 19º Pe. Francisco Pastores (1.935-1.942). 20º Pe. João Wagner e Pe. Carlos Theizen (1.936-1.938). 21º Pe. Luiz Klur (1.942 - 1.947). 22º Pe. Guilherme Mirlembrink M.S.F (vigário 1.942-1.947). 23º Pe. Henrique Kleffner M.S.F (cooperador), (1.945-1.947). 24º Pe. Fernando Muller e Pe. Evaldo Bete (vigário e cooperador), (1.945-1.948). 25º Pe. Agostinho Bollen (vigário) (1.947-1.960), e Pe. Antônio Schute (cooperador) (1.949). 26º Pe. Jacob Schlee (vigário) (1.960-1.968). 27º Pe. José Kruza M.S.F (vigário) (1.968-1.976) e Pe. Zacarias Kruza (cooperador) (1.974-1.977). 28º Pe. Eurico Franke (1.977 a 1982). 29º Padre Silvano Schoenberger (1982 a 1992), 30º Pe Tarcísio Weber (1992 a 1996), 31º Pe. Francisco Carlo de Azevedo( 1996 a 2002), 32º Pe. Pedro Pinto (2002 a 2006), 33º Pe. Possídio Lopes ( 2006 a 2009). 34º Pe. Domingos de Sá (2009 a 2013), 35º Pe. Américo Leite (2013 a 2019). 36º Pe. Luiz Telmo (2019 até os dias atuais).

Durante os 243 anos de existência da Igreja de Nossa Senhora das Dores, muitas coisas importantes aconteceram, merecendo registro, aqui destacamos o início da construção da nova Matriz de Nossa Senhora das Dores. Aos 23 de janeiro de 1943, Pe. Paulo Stachowitz tomou conta da freguesia de Martins, com Pe. Valentim Ginter. Iniciava-se um ano de fartura em legumes, de tal maneira que o Pe. Luís Klur, vigário de Patu, com ajuda de alguns pedreiros do lugar, deu início à construção da nova Igreja Matriz de Patu. Adonias Godeiro, quando vivo, gostava de falar a respeito de sua participação nos trabalhos desta igreja tão linda, que no seu estilo neo-gótico lembra de alguma forma a Catedral de Colônia na Alemanha.
Em 1949 estava Pe. Agostinho Bollen em Patu preocupado em continuar a construção da Igreja Matriz. Ele era dinâmico, dedicado aos trabalhos de Igreja como sacerdote bem como nos andamentos de conclusão do novo templo.
Em 18 de junho de 1.959 foi realizada a comemoração das bodas de ouro do Apostolado da Oração que foi fundado em 18 de junho de 1.909 pelo Padre João da Cruz.. A festa dos 50 anos foi muito grande com a participação de todas as zeladoras e do Padre Agostinho Bollen que em sua administração na paróquia de Nossa Senhora das Dores inaugurou em 7 de fevereiro de 1960 o monumento ao coração de Jesus. A estátua, encimada sobre um pedestal, foi confeccionada no Rio de Janeiro, na fábrica Santa Cruz, tendo 1,80 m de altura, de cimento branco e pesa cerca de 400 kg e custou Cr$ 350.000,00, sendo que os mosaicos foram doados pelo Dr. Aderson Dutra. Toda a comunidade contribuiu para a edificação do belo monumento.

  No ano de 1.972, tendo a frente o pároco José Kruza, o pátio da Igreja Matriz recebeu inscrições de datas importantes como a fundação da Igreja em 07/07/1777, o registro da corrida espacial do homem à lua, sendo feito em pedra a imagem do foguete apolo 11 e a data de 1852 da fundação da paróquia de Patu, como também Patu  deixa de ser povoado, passando a categoria de freguesia. As inscrições em pedra foram feitas pelo artista da arte da cantaria, José Trajano “in memoriam”, conhecido popularmente como Pernambuco.   
Em 7 de julho de 1.977 foi realizada uma grande comemoração pelo Bicentenário da Paróquia de Nossa Senhora das Dores. Ainda na administração do Padre José Kruza foi realizada uma grande programação, com alvorada festiva com a Banda de Música, palestras, missas, desfile cívico das escolas e instituições, descerramento da placa comemorativa do Bicentenário, procissão e jantar de confraternização.
No ano de 1.998, na administração do Padre Francisco Carlos Azevedo e apoio do dos padres Irismar Farias e Tarcísio Weber, foi construído um espaço para instalação de um canal de Rádio Comunitária, autorizado na época pelo Bispo Dom José Freire de Oliveira Neto, denominado de Serrana FM. O estúdio da rádio foi construído entre a Igreja Matriz e casa Paroquial. A Rádio Serrana FM deixou um marco na cidade e região divulgando e propagando a palavra de Deus, seja através da Igreja Católica ou pelas Igrejas Evangélicas da cidade.
No ano de 2005, na administração do Padre Pedro Pinto, foi realizada a reforma da Casa Paroquial, deixando a mesma em melhores condições de acomodação dos párocos.
  No ano de 2007, na administração do Padre Possídio Lopes, outra ação importante aconteceu na paróquia, sendo feita a reforma completa do teto da Igreja Matriz de Nossa Senhora das Dores. Uma comissão de paroquianos residentes em Natal e outra em Patu foi constituída com propósito de fazerem campanhas e arrecadarem recursos para construção do novo teto da igreja e das novas instalações elétricas. Algumas festas foram realizadas bem como sorteio de prêmios em Patu para se alcançar os objetivos.
Em 18 de junho de 2009, também na administração do Padre Possídio Lopes, foi realizada a comemoração pelos 100 Anos do Apostolado da Oração com programação alusiva a data: Alvorada festiva, celebrações, inauguração da nova iluminação do Monumento ao Coração de Jesus e foto oficial dos 100 anos do Apostolado da Oração, com a participação das zeladoras.
No período de 2009 a 2013, na Administração do Padre Domingos de Sá, foi realizada campanha entre os paroquianos para a reforma do Salão Paroquial, ficando o mesmo com excelente estrutura para reuniões e eventos da igreja no primeiro andar e na parte térrea foi instalada a nova secretara da Paróquia com toda infraestrutura necessária. Foram construídos também novos banheiros no local.
No ano de 2018, na administração do Padre Américo Leite, foi construído um novo altar em mármore bem como, foram adquiridos novos bancos da Igreja, substituindo os antigos, bem como a restauração dos vitrais da Igreja.
Fonte:
Pe. Silvano Schoemberger.
Livro Tombo - Santuário do Lima.
Revista: Roteiros de Patu - Miguel Câmara Rocha.


Galeria de Fotos da Igreja de Nossa Senhora das Dores 
Patu RN










Nenhum comentário:

Postar um comentário