segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Memória: Aderbal Bezerra um Dos Maiores Lutadores de Luta Livre e Vale Tudo do Brasil

Aderbal Bezerra
Hoje o Blog A Folha Patuense conta a história de um dos maiores lutadores de luta livre e vale-tudo de Caicó, do Rio Grande do Norte e do Brasil. Trata-se de Aderbal Bezerra pai do Capitão Aderlan, comandante da 2ª Cia de Polícia de Patu. Quando eu residia em Caicó tive oportunidade de conhecer e assistir lutas memoráveis de Aderbal com os lutadores: Bernardão, Fidelão, Diabo Louro, Leão do Norte e outros, realizadas no pátio da Rádio Rural de Caicó ou em praça pública.

O site Super Lutas publicou a história de Aderbal Bezerra e o blog A Folha Patuense está reproduzindo 



Fabio Quio Takao – Brasil Combate

Colaboração: Aderleth Bezerra / Dinaldson “Dolinha” / Hugo Lira.

Aderbal Bezerra da Cunha nasceu em 04/10/1929, em Serra Negra do Norte-RN. Caçula de 6 irmãos, Aderbal ficou órfão de pai logo após seu nascimento e sua família passa por dificuldades durante sua infância e adolescência.
Aos 17 anos, Aderbal recebe do irmão um convite para se mudar para o  Rio de Janeiro. Logo após sua chegada, alista-se na Marinha e permanece como fuzileiro naval por 2 anos. Esse período foi de fundamental importância para para a formação do que viria ser o lutador Aderbal, pois na Marinha muitos fuzileiros se dedicavam a prática de Halterofilismo e a prática de Luta Livre.
Marinheiros e Fuzileiros Navais treinando halterofilismo em 1947.
Aderbal Bezerra está na última fila, 1º da direita para esquerda.

Logo após sua saída da Marinha em 1948, Adebal passa a praticar Luta Livre e participar de competições pelo Clube Flamengo do Rio de Janeiro e viaja para diversas cidades sempre conseguindo bons resultados. Em várias cidades que percorreu, Aderbal filiou-se em diversas Federações de Pugilismo, que eram filiadas à Confederação Brasileira de Pugilismo e Aderbal era registrado em Pernambuco, Rio de Janeiro, São Paulo e em Manaus; nesta última cidade residiu por dois anos, onde fundou uma Academia de Luta e Defesa Pessoal.


Em 1953 aconteceu em Natal a primeira luta de Vale Tudo do estado. Adebal enfrentou Bernardão, que viria a ser seu principal oponente durante muitos anos. A luta foi descrita por Osmar Mozinho de Oliveira “Biuce” como caótica: “Foi a maior luta que houve no Estado do Rio Grande do Norte, eram dois homens muito fortes, com muita energia e muito jovens; o ringue tinha sido montado em cima dos tambores de gasolina; no decorrer da luta, o ringue quebrou-se e era tambor por todos os lados, o povo correndo, outros segurando Aderbal para ele não matar Bernardão e este sendo pego também por outras pessoas, os tambores foram tirados e a luta continuou sem o ringue.”
Aderbal lutando com Bernardão

Residindo em Natal, Aderbal conhece Chico Ribeiro que já praticava Jiu Jitsu e passa a aperfeiçoar a técnica de Aderbal ainda mais. Nessa época havia sido fundada a primeira academia de Jiu jitsu de Natal, a Academia França que tinha como instrutor o militar Dupont Saraiva.
Aderbal de camisa listrada do ABC

As Lutas em Natal passaram a se tornar um espetáculo atrativo ao grande público e eram anunciadas nos jornais locais e em carros de som. A popularidade era tanta que até mesmo o prefeito de Natal Alberto Maranhão chegou a praticar a Luta Livre, além de incentivar e promover as lutas. Outro grande incentivador e patrocinador foi o empresário Sírio-Libanês Nagib Salhas, dono da Casa 2 Américas. Nagib nutria grande amizade por Aderbal e foi de extrema importância para o fomento do Vale Tudo na região.

Os espetáculos aconteciam geralmente aos Sábados, as 21:00h e com lutas preliminares antes da principal. Os embates eram 6 rounds de 5 minutos por 2 de descanso. A vitória era por desistência do oponente ou nocaute. A renda líquida da bilheteria era do vencedor. Caso houvesse empate, a bolsa não era paga e a revanche era marcada já no final da luta.
A partir de 1954 Aderbal participa de diversas lutas com os maiores nomes do Vale Tudo do nordeste e do Brasil. Contemporâneo de lendas como Valdemar Santana, Takeo Yano, Euclides Pereira e Ivan Gomes, Aderbal enfrentou à todos eles, ganhando algumas e perdendo outras, mas sempre mantendo um número de lutas que assustaria a qualquer profissional do MMA moderno.
Grande luta: Ivan Gomes x Aderbal Bezerra
Por volta de 1955, Aderbal inicia na cidade de Caicó no Rio Grande do Norte a implantação das lutas de Vale Tudo. De personalidade amigável, Aderbal vencia as dificuldades para promover as lutas com a ajuda do primo e amigo José Lucas, na época, funcionário do Banco do Brasil em Caicó, e costumava ajudá-lo buscando patrocinadores usando de sua influência no comércio e, algumas vezes, emprestando dinheiro a Aderbal para a montagem do ringue.

Nomes pouco conhecidos no sudeste, mas que foram de suma importância para o Vale Tudo foram adversários constantes de Aderbal. Dentre eles podemos citar Touro Novo, Leão do Norte, Fidelão, Gato Selvagem, Teles, Diderot e muitos outros.
As lutas muitas vezes proibiam socos de mão fechada, mas a violência era tamanha que o Vale Tudo sem nenhuma regra era comum. No depoimento de Tarcísio Segundo de Medeiros, morador de Caicó dessa época: “Quando Aderbal voltou a residir em Caicó, no local onde funciona a Rádio Rural AM de Caicó, … houve uma luta extraordinária de Aderbal e Fidelão. Como o local era um pátio aberto, as pessoas pulavam dos prédios vizinhos….e essas pessoas conseguiam entrar de graça, tamanha era a euforia do público. Foi oficialmente publicada como luta livre e no decorrer da luta Fidelão saiu das regras da luta livre passando a praticar o Vale-Tudo, quando Aderbal perguntou em voz alta se a luta era vale-tudo ou luta livre e Fidelão respondeu: é vale-tudo! Aderbal utilizando de sua técnica levantou o lutador adversário jogando-o no ringue, que ficou quebrado, não havendo mais condições para a continuação da luta e o juiz resolveu pôr fim à luta, considerando Aderbal como vencedor do embate.”

Foto raríssima mostrando a 2ª visita de Kimura ao Brasil. Aderbal em pé o primeiro da esquerda para direita. Kimura, sentado, o segundo da esquerda para direita. Takeo Yano, sentado, o quarto da esquerda para direita.

Em 1958, a Federação De Pugilismo do Rio de Janeiro convida Aderbal a se juntar a uma equipe composta de lutadores como Takeo Yano, Valdemar Santana, Passarito, Chouberi e outros. Essa equipe passa por diversas cidades do Brasil como Belo Horizonte, Belém do Pará e Fortaleza fazendo demonstrações. Além dessas cidades, o grupo passa por diversos países como Uruguai, Paraguai, Peru, Argentina desafiando lutadores locais. A equipe chega a permanecer 4 meses em Caracas na Venezuela marcando o auge da carreira de Aderbal.
Outro grande momento da carreira de Aderbal foi vencer o instrutor da Polícia Federal do Rio de Janeiro Karol Nowina, que havia lançado um desafio a qualquer lutador de Luta Livre da época. Ainda no auge de sua carreira, Aderbal Bezerra enfrenta um dos maiores judokas de todos os tempos: Massahiko Kimura. Kimura já estivera no Brasil e havia vencido ninguém menos que Hélio Gracie. Em sua segunda visita buscava alguém para poder demonstrar sua técnica e Aderbal foi escolhido por seu porte físico e conhecimento em lutas. Infelizmente sobre essa segunda passagem de Kimura pelo Brasil  existem poucos relatos.

Já na década de 60, Aderbal se junta a Osmar  Mozinho “Biuce”, um dos primeiros professores de Ivan Gomes . Aderbal financia a abertura de uma academia em Caicó e Biuce passa a ensinar Luta Livre, Judô e Defesa Pessoal. Paralelamente às lutas, Aderbal também era convidado a trabalhar em vários eventos em Caicó, como segurança em festas de clube, em campanhas políticas e como fiscal nas eleições. Além disso, era constantemente requisitado pela polícia da cidade para ensinar defesa pessoal.   
Em 1976 aos 47 anos, Aderbal encerra sua carreira e compra um sítio e passa a viver com a família. Ao longo da vida Aderbal teve diversas esposas e filhos. Com sua última esposa, Marlete, teve 6 filhos. Em fevereiro de 1984, Aderbal adoece o diagnóstico de esquissostomose demora a ser descoberto. Em 12 de Junho de 1984 Aderbal faleceu aos 54 anos.
Marlete mantém em funcionamento uma academia de musculação em Caicó em memória ao marido e sua filha Aderleth fez um importante pesquisa sobre o pai. Além disso, Aderleth promoveu em 2006 uma mostra com fotografias de Aderbal Bezerra na inauguração da Casa de Cultura de Serra Grande do Norte, terra natal de Aderbal. Essa exposição continua disponível e nos permite conhecer um pouco mais sobre esses importantes nomes do Vale Tudo brasileiro.
Capitão Aderlan, filho de Aderbal Bezerra

Fonte: site: superlutas.com  

Nenhum comentário:

Postar um comentário