quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Especial!!

SANTA TEREZA

Jesuíno Brilhante na Fazenda Santa 

Tereza

IGREJA DA SANTA TEREZA

                 No dia 07 de setembro de 2015, o advogado criminalista Bartolomeu Linhares, radicado na cidade de Caicó, no Seridó potiguar presenteou o cangaceirólogo Epitácio de Andrade Filho com o artigo Memórias do Dr. Antônio Gervásio Alves Saraiva, de autoria do genealogista e historiador cearense Francisco Saraiva Fernandes Câmara, conhecido como Fernando Câmara. 
EPITÁCIO ANDRADE


DR. BARTOLOMEU LINHARES


FERNANDO CÂMARA

                 O artigo é um ensaio historiográfico sobre a memória da família Saraiva Leão, apresentado pelo orador-autor numa convenção familiar, ocorrida no dia 12 de abril de 1942, no Rio de Janeiro, na época, capital federal do Brasil. E se encontra publicado no número 98, nas páginas 17 a27, editado em 1984, em Fortaleza, na revista do Instituto Histórico do Ceará. O bacharel em ciências jurídicas pela Universidade federal de Pernambuco Antônio Gervásio Alves Saraiva, nascido na fazenda Santa Tereza, distante 15 km da sede urbana do município de Belém de Brejo do Cruz, no alto Sertão paraibano foi contemporâneo do cangaceiro potiguar Jesuíno Brilhante (1844-79).  E deixou registrada em seus manuscritos a fatídica passagem do mais afamado cangaceiro do século XIX pelas terras da Santa Tereza, inserindo definitivamente o município paraibano de Belém de Brejo do Cruz no mapa do cangaço de Jesuíno Brilhante.


                 A Fazenda Santa Tereza se localiza em fronte a serra de Brejo do Cruz e margeia os alcantis das serras do Patu, de João do Vale e serra negra, no Rio Grande do Norte. Cortada ao meio pelo Riacho dos Porcos, oriundo a montante a oito léguas do Catolé do Rocha, sendo represado pelo açude da Santa Tereza, construção arquitetônica secular que contou com a participação decisiva de mão-de-obra escrava. Na época, chegou a ser o maior açude do Nordeste brasileiro.

SERRA NEGRA DO NORTE


SERRA DE JOÃO DO VALE


SERRA DO PATU


SERRA DE BREJO DO CRUZ


                 Em 1880, o açude da Santa Tereza não resistiu a uma invernada vindo a se romper, agravando as condições de vida e sobrevivência no Sertão, contribuindo, inclusive para, mais adiante, determinar a eclosão de uma epidemia de tuberculose. Em 1865, a casa grande da Fazenda Santa Tereza era caiada, uma raridade para a época. . A fama de opulência da Santa Tereza despertou a cobiça do chefe de bando Jesuíno Brilhante que enviou o seu cabra Pajeú. Numa tarde Pajeú bateu na casa do capitão Álvaro de Assis, um amigo da família Saraiva Leão, para dizer que era plano assentado do bando o assalto a Santa Tereza. Jesuíno já havia estado na casa do major João batista da Costa Coelho (Pai Joãozinho) para recorrer bolsa, mas não tinha logrado êxito. Jesuíno fazia ponto na comunidade de São José, onde tinha dois coiteiros: Um tal Chaves e  Elias Cardoso. Confinantes à Santa Tereza tinham comunidades que ora estavam aliadas a Jesuíno, ora estavam aliadas ao grupo adversário dos Limões, como era o caso da comunidade Dois Riachos, pertencente a família Lobo. Neste cenário de conflito, estavam os Saldanhas do mulungu; os Maias em Catolé do Rocha.O declínio socioeconômico da Santa Tereza e o sofrimento da população vitimada pela tuberculose motivaram a vinda do padre Ibiapina (1806-1883) que coordenou a construção da Igreja e do cemitério, além de ter proposto a mudança do nome da comunidade de cachoeira para Santa Tereza, que pode ter sido para homenagear a matriarca conhecida como Teté ou para homenagear a própria genitora do missionário. 

PADRE IBIAPINA

                 Finalmente, narra o jurista que acompanhou juntamente com o vaqueiro João Raimundo o sargento comandante de uma tropa destacada na cidade de Imperatriz (hoje Martins, no Rio Grande do Norte) que vinha no encalço dos cangaceiros até um pedregulho existente na estrada entre São José e Santa Tereza, na comunidade de Santo Antônio, onde o sargento Preto Limão armou a emboscada fatal que pôs fim ao cangaço de Jesuíno Brilhante. Este lugar foi denominado pelo senhor Mário Waldemar Saraiva Leão, fundador da cidade de São José de Brejo do Cruz, como o Serrote da Tropa. 



SERROTE DA TROPA

Nenhum comentário:

Postar um comentário