segunda-feira, 11 de maio de 2015

MEC inicia avaliação do curso Superior de Tecnologia em Gestão de Cooperativas do Pronera no RN

Uma comissão do Ministério da Educação (MEC) esteve no Rio Grande do Norte esta semana para iniciar a avaliação do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Cooperativas, promovido pelo Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera), para fins de reconhecimento definitivo da graduação. O curso, que tem três anos de duração, é promovido em parceria com a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e beneficia 46 alunos do Rio Grande do Norte. O investimento do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) é de aproximadamente R$ 900 mil. As aulas devem ser concluídas no final de 2015.
As aulas do curso de Tecnologia em Gestão de Cooperativas foram iniciadas em 2013 e acontecem no Centro de Treinamento da Emater/RN (Centern), no município de São José de Mipibu, Região Metropolitana de Natal, e ainda no Campus da UFRN em Natal. A metodologia do curso é baseada na pedagogia da alternância, com a carga horária dividida em tempo escola, com aulas presenciais durante uma semana por mês, e tempo comunidade, com aulas práticas nas comunidades às quais os alunos pertencem.
Compromisso com a reforma agrária
O aumento do comprometimento com a reforma agrária é uma das maiores conquistas dos alunos do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Cooperativas promovido pelo Pronera e pela UFRN, na opinião do coordenador do curso, o professor Washington Souza, graduado e mestre em Administração e doutor em Educação.
“A opinião da comissão do MEC é a mesma. Houve uma grande mudança de postura dos alunos em relação à reforma agrária desde o início do curso. Eles passaram a participar mais da vida de seus assentamentos e a se engajar em movimentos sociais e em espaços onde se discutem as políticas públicas”, afirmou Souza. “Mesmo os alunos que, antes de ingressarem no curso, já eram lideranças, inclusive atuando na política, elogiam o curso e nos falam sobre a importância do curso na sua formação”.
O interesse dos alunos se reflete na baixa evasão do curso, na avaliação do coordenador. “Começamos o curso com 49 alunos e terminaremos com 46. E todos desistiram devido a problemas pessoais”, afirmou Souza, acrescentando que, em alguns cursos da UFRN a evasão chega a 50%.
Processo de avaliação
De acordo com o professor Washington Souza, a comissão designada pelo MEC para avaliar a graduação é formada pelos professores Paulo Cézar Moreira, da Universidade Federal de Goiás (UFG), e Marcos Benac, da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ).
Souza explicou que a avaliação leva em conta a parte legal/formal do curso (projeto pedagógico, atas de reuniões), a infraestrutura oferecida aos alunos (sala de aula, laboratórios, biblioteca, restaurante) e o corpo docente (titulação, formação acadêmica e produção intelectual). A comissão do MEC também ouviu os alunos.
A previsão é de que a comissão interna do MEC que vai analisar os dados coletados pela comissão que esteve no Rio Grande do Norte divulgue a nota do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Cooperativas do Pronera até o próximo dia 15. As notas dadas pelo MEC aos cursos superiores vão de 1 a 5, onde 1 e 2 são considerados desempenho insatisfatório; 3, razoável; e 4 e 5, bom.
O Pronera no RN
O Pronera beneficiou, no estado, 1.116 pessoas com os cursos: Saberes da Terra (EJA), Ensino Normal Médio, Técnico Agropecuário, Técnico em Controle Ambiental, Técnico em Enfermagem e curso Superior em Pedagogia da Terra.
Outros cursos, iniciados em 2014, estão em andamento, como o curso de Educação de Jovens e Adultos (EJA) – Alfabetização, que está sendo realizado em convênio com o Movimento de Educação de Base (MEB), ligado à Igreja Católica. São 60 turmas que funcionam em assentamentos da reforma agrária e acampamentos, beneficiando 1,2 mil alunos de 18 a 80 anos. As aulas da primeira etapa do curso foram concluídas no início deste ano. A segunda etapa, equivalente aos anos iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano), deve ser iniciada nos próximos meses com os mesmos alunos, e tem duração de um ano. O curso tem investimento de aproximadamente R$ 2,9 milhões.
Também foram iniciados no ano passado os cursos de Licenciatura em Ciências Sociais e de Especialização em Economia Solidária e Desenvolvimento Territorial.
O curso de Licenciatura em Ciências Sociais, promovido por meio de um Termo de Execução Descentralizada com a UFRN, no valor aproximado de R$ 1,3 milhão, possui 60 alunos de vários estados nordestinos e tem quatro anos de duração.
O curso de Especialização em Economia Solidária e Desenvolvimento Territorial, promovido através de parceria entre o Incra, o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e a UFRN, tem 50 alunos norte-rio-grandenses. A especialização deve ser concluída no primeiro semestre de 2016 e tem investimento de cerca de R$ 982 mil.
Os cursos do Pronera no Rio Grande do Norte são promovidos em conjunto com a UFRN, o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN), a Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) e o MEB.
O Pronera atende jovens e adultos de assentamentos criados pelo Incra e através do Crédito Fundiário, acampados, quilombolas e professores e educadores com atuação em áreas da reforma agrária com cursos de educação básica (alfabetização, ensinos fundamental e médio), técnicos profissionalizantes de nível médio e diferentes cursos superiores e de especialização.
Fonte: Kalyandra Vaz (DRT 1679/PB)
Assessoria de Comunicação Social do Incra/PB e do Incra/RN.

Nenhum comentário:

Postar um comentário